Sexta-Feira, 19 de Outubro de 2018

Política
Domingo, 10 de Junho de 2018, 18h:32

CENÁRIO REAL

Bolsonaro e Marina lideram corrida eleitoral sem Lula na disputa, diz Datafolha

Ex-presidente petista é o preferido dos eleitores, com 30% das intenções.Se ele não concorrer por estar preso, pré-candidato do PSL teria 19%, e Marina, 15%.'Sem votos' chegam a 34% sem Lula

Carla JiménezZ/El País

Reprodução

A nova pesquisa Datafolha sobre a corrida presidencial 2018, divulgada neste domingo, repete o cenário do último levantamento de abril, com o ex-presidente Lula liderando as pesquisas (30%), seguido de Jair Bolsonaro (PSL), com 17%, e Marina Silva (REDE), com 10%. Num cenário sem Lula, caso o petista seja impedido de concorrer, Marina fica praticamente em empate técnico com Bolsonaro, como já mostrava o levantamento feito dois meses atrás. No estudo, realizado em 174 cidades entre os dias 6 e 7 de junho, o ex-militar teria 19% e a pré-candidata da REDE teria 15%. Como a pesquisa tem margem de erro de dois pontos porcentuais para cima ou para baixo, ambos podem ter intenções na casa dos 17%. Comparada à pesquisa anterior, realizada há dois meses, Bolsonaro aparece um pouco mais confortável. Na anterior, o resultado era de 17% e 15%, respectivamente, o que pelo mesmo raciocínio da margem de erro, poderia colocar Marina à frente.

Já o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin continua no mesmo patamar, com 6% das intenções num cenário com Lula, e 7% sem o petista na disputa. O presidenciável do PDT, Ciro Gomes, parece um pouco mais confortável num terceiro lugar caso Lula não dispute. Na pesquisa deste domingo, ele aparece com 11% das intenções nesse contexto. No levantamento anterior, ele tinha 9%, empatado com o nome do ex-ministro Joaquim Barbosa que até então parecia entrar na disputa. Já Álvaro Dias (Podemos) mantém apoio de 4% dos entrevistados. Manuela D'Ávila do PCdoB e Rodrigo Maia (DEM) têm entre 1% e 2% das intenções. Os demais pré-candidatos, como Henrique Meirelles (MDB), João Amoedo, do NOVO, Guilherme Boulous, do PSOL e Flavio Rocha (PRB), têm entre zero e 1% das intenções.

Num segundo turno, Lula, caso pudesse concorrer, bateria todos os seus oponentes, segundo o Datafolha. Chegaria a 49% das intenções de voto contra Alckmin, que teria 27%, ou Bolsonaro (32%), e teria 46% contra 31% se a disputa fosse com Marina Silva. Se o ex-presidente não concorrer, a disputa no segundo turno pode ter diversas possibilidades. Bolsonaro, por exemplo, aparece empatado com Alckmin (33%), e em situação parecida contra Ciro (teria 34% contra 36% do candidato do PDT). Mas perderia de Marina (42% a 32%). Ele teria melhor posição caso o segundo turno fosse disputado com o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, se ele for o nome apoiado por Lula (36% a 27%) . Marina, por outro lado, é a melhor posicionada se passar a segundo turno. Contra Ciro, venceria por 41% a 29%. Contra Alckmin, teria 42% contra 27%.

Mas, a quatro meses do pleito, a única certeza que o Datafolha traz é que o quadro atual pode mudar muito até o primeiro turno, ainda que as tendências por candidatos estejam claras. Isso porque o número de sem votos é de 21% numa disputa com Lula concorrendo, e de 34% sem ele. Até lá, a campanha em rádio e televisão, que começa no dia 31 de agosto, deve começar e reforçar certezas ou mudar votos de eleitores. Há, ainda, o capital político do ex-presidente petista, que pode fortalecer um candidato indicado por ele, caso anuncie que desiste de concorrer. O Datafolha constatou que 47% dos seus entrevistados podem considerar um nome que tenha a bênção de Lula na disputa – - 30%, com certeza votaria num nome atrelado a Lula. Um terço dos entrevistados acredita que o ex-presidente preso deveria apoiar Ciro.

Ainda que a situação jurídica do ex-presidente seja indefinida uma vez que está preso, o PT lançou sua pré-candidatura neste sábado, dia 9. Lula vem surfando na sua força eleitoral, e as apostas são de que, sabendo da dificuldade de convencer a Justiça eleitoral a deixá-lo concorrer, ele vai manter o mistério sobre um eventual apoio até o limite possível para garantir uma transferência consistente de votos às vésperas do pleito. Desde que foi preso suas intenções de voto praticamente não mudaram. Mas, sua rejeição também é alta e se por um lado reduz o número de sem votos, por outro há um contingente de 51% de eleitores que afirmar rejeitar qualquer indicação de Lula.

Diferença de pesquisas

A pesquisa Datafolha chega depois de uma semana de alvoroço no mercado financeiro com a divulgação da pesquisa DataPoder360, que mostrou Bolsonaro consolidado na liderança sem Lula (21% a 25%), com Ciro (entre 11% e 12% das intenções de voto) e Haddad (entre 6% e 8%)  e Marina (6% e 7%) na sequência. A diferença de resultados se explica pelas diferentes metodologias. A Poder360 fez entrevistas por telefone, enquanto o Datafolha faz entrevistas presenciais. O assunto gera polêmica, uma vez que as pesquisas presenciais estão mais fortalecidas no Brasil. Os levantamentos por telefone, no entanto, seguem um padrão comum nos Estados Unidos, por exemplo, mas podem trazer resultados bem distintos dos levantamentos feitos ao vivo. A pesquisa do Poder360 foi apontada como uma das responsáveis por ajudar a inflar o valor do dólar na semana passada, que chegou perto de 4 reais e fez o Banco Central entrar com força com leilão de dólares para equilibrar o valor da moeda.

Temer radioativo

O pouco apoio ao presidente Michel Temer minguou ainda mais depois da greve dos caminhoneiros. O índice de reprovação do seu Governo passou de 70% em abril para 82% agora, transformando-o no mais impopular presidente da história. No auge da crise do governo Dilma, em agosto de 2015, ela tinha 70% de reprovação. O presidente vê sua popularidade minguar ainda mais diante de notícias que apontam suspeitas de corrupção do mandatário. Na semana passada, o Jornal Nacional noticiou que um fornecedor da reforma da casa da filha do presidente, Maristela Temer, foi pago com dinheiro vivo pela empresa Argeplan, do coronel João Batista Lima Filho, suspeito de receber propina, em acordo com o ex-presidente. Lima é investigado pela Polícia Federal no caso do grupo Rodrimar, que opera no porto de Santos, que teria sido beneficiado por um decreto alterado por Temer. A relação do presidente com Lima é de longa data.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO