Domingo, 12 de Julho de 2020

Política
Quarta-Feira, 27 de Maio de 2020, 09h:00

VEJA A LISTA DOS ALVOS

Alvo de MT no inquérito das fake news ameaçou invadir o STF e o Congresso Nacional

Jô Navarro

Reprodução

Até o momento desta publicação, oito deputados foram confirmados como alvos da Polícia Federal. Eles foram intimados pelo Supremo Tribunal Federal para prestarem depoimento em até dez dias. Os mandados são assinados pelo ministro Alexandre de Moraes.

O alvo de mandado em Mato Grosso é  Marcelo Stachin, morador da cidade de Sinop, dirigente dos movimentos de direita Frente Cidadã e Canhota Não, faz parte de um grupo que está convocando a população para invadir o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF), segundo noticiado pelo Congresso em Foco. Assista abaixo:

Segundo apurado, quatro pessoas que foram alvo de busca e apreensão nesta quarta-feira (27) seriam responsáveis por financiar a veiculação de fake news contra ministros do STF. Foram expedidos 29 mandados (veja abaixo). Dez deles ainda não foram identificados pela imprensa.  

Leia também: PF cumpre mandados em Mato Grosso em inquérito do Supremo sobre fake news

Deputados federais (sem busca e apreensão)

Bia Kicis
Carla Zambelli
Daniel Lúcio
Filipe Barros
Geraldo Junio
Luiz Phillipe de Orleans e Bragança


Deputados estaduais (sem busca e apreensão)

Douglas Garcia
Gildevânio Ilso

Outros alvos

Luciano Hang, empresário (SC)
Roberto Jefferson, ex-deputado federal (RJ)
Allan dos Santos, blogueiro (DF)
Sara Winter, blogueira (DF)
Winston Lima, blogueiro (DF)
Edgard Corona, empresário (SP)
Edson Pires Salomão (SP)
Enzo Leonardo Suzi (SP)
Marcos Belizzia (SP)
Otavio Fakhouri (SP)
Rafael Moreno (SP)
Rodrigo Barbosa Ribeiro (SP)
Paulo Gonçalves Bezerra (RJ)
Reynaldo Bianchi Júnior (RJ)
Bernardo Kuster (PR)
Eduardo Fabris Portella (PR)
Marcelo Stachin (MT)

Inquérito 4.781

O inquérito foi aberto pelo presidente do STF Dias Toffoli para apurar ataques a membros da Corte e seus familiares. A PGR pediu o arquivamento do inquérito, que 'investiga e julga' inconstitucionalmente. 

Em atualização - Mais informações a qualquer momento

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO