Sexta-Feira, 22 de Março de 2019

Mato Grosso

Quarta-Feira, 13 de Março de 2019, 07h:56

FRAUDE NA SEMA

Polícia cumpre 128 mandados de prisão em 23 cidades em Mato Grosso

Operação Terra à Vista combate Orcrim que atuava na Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema), fraudando o Sistema de Comercialização e Transporte de Produtos Florestais (Sisflora).

Redação

PJC

Uma grande operação para prender pessoas suspeitas de envolvimento em uma fraude ambiental que ultrapassa R$ 150 milhões foi deflagrada, na manhã desta quarta-feira (13.03), pela Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso, para cumprimento de 128 mandados de prisão e 12 buscas e apreensão.

Os alvos são representantes legais e operacionais, engenheiros florestais e ex-servidores da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema).

A operação intitulada “Terra a Vista”, é oriunda de inquérito policial conduzido pela Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema), com o objetivo de investigar uma organização criminosa que atuava na Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema), fraudando o Sistema de Comercialização e Transporte de Produtos Florestais (Sisflora).

Os mandados de prisão temporária e de busca e apreensão, expedidos pela Juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Ana Cristina Mendes, são cumpridos em vários municípios do Estado de Mato Grosso: Cuiabá, Várzea Grande, Alta Floresta, Nova Monte Verde, Apiacás, Paranaíta, Nova Bandeirantes, Peixoto de Azevedo, Guarantã do Norte, Itaúba, Matupá, Marcelândia, Claúdia, Santa Carmem, Ipiranga do Norte , Feliz Natal, Sorriso, Sinop, Juara, Aripuanã, Porto dos Gaúchos, Castanheira, Arenápolis.

Mandados cumpridos (em atualização)

 

INVESTIGADO

LOCAL DA PRISÃO

01

THEOPHILO NELSON CUNHA

CUIABÁ

02

JULIANA AGUIAR DA SILVA

CUIABÁ

03

ADMILSON RODRIGUES DA SILVA

VÁRZEA GRANDE

04

ALEX SANDRO DE MEDEIROS NASCIMENTO

VÁRZEA GRANDE

05

FERNANDO ALÉCIO COSTA

VÁRZEA GRANDE

06

JOB MOREIRA RIBEIRO

GUARANTÃ DO NORTE

07

RONALDO ADRIANO CARDOSO

GUARANTÃ DO NORTE

08

JONAS MOREIRA RIBEIRO

GUARANTÃ DO NORTE

09

ADRIANA GOMES ALEXANDRE

MARCELÂNDIA

10

DEVAIR ALVES DE SOUZA

MARCELÂNDIA

11

INÁCIO DAPPER

MARCELÂNDIA

12

JUSSARA MARIA DE LIMA

MARCELÂNDIA

13

LINDOMAR ANTUNES FRANCO

MARCELÂNDIA

14

MARIZA BORIN GIORDANO

MARCELÂNDIA

15

NELSI DE FÁTIMA DUARTE

MARCELÂNDIA

16

NOELI RICCI GRANDINI

MARCELÂNDIA

17

VOLNEI ROBERTO TIRAPELLES

MARCELÂNDIA

18

EDVALDO LUIZ DAMBROS

ITAÚBA

19

CÉSAR FARIAS

SINOP

20

THAIS BATISTA FIALGRO

SINOP (ALVO DE CUIABÁ PRESO EM SINOP)

21

RODRIGO FORTUNATO GREGGIO

SINOP

22

RODRIGO PALUCHOWSKI

SINOP

23

TARCISO DE OLIVEIRA LOPES

SINOP

24

VILMA SOCREPPA

SINOP

25

FERNANDO BRUNO CRESTANI

SINOP

26

GETÚLIO DA SILVA PINTO

SINOP

27

ANTENOR BALDONO DOS SANTOS

SINOP

28

ARTÊMIO AFONSO PONTELLO

SINOP

29

BYRON ROBALDINO FELIX

SINOP

30

FÁBIO BACHMANN

SINOP

31

JUAREZ DIDONE

SINOP

32

LEONARDO CRESTANI

SINOP

33

LUIZ DERLI XAVIER MARTINS

SINOP

34

MICHEL DOUGLAS DE PAULA ROCHA

SINOP

35

PAULO MENENGAZZO

SINOP

36

THIAGO FELIPE GRAMS

SINOP

37

FLÁVIO LUIZ ROSA

ALTA FLORESTA

38

PAULO DE SOUZA PERES

ALTA FLORESTA

39

RICARDO GONÇALVES DIAS

ALTA FLORESTA

40

JAQUELINE ORTEGA INÁCIO

NOVA BANDEIRANTES

41

ANA MARIA VIEIRA DO ROSÁRIO

NOVA MONTE VERDE

42

CÉLIO PEREIRA DOS SANTOS

NOVA MONTE VERDE

43

CLÉSIO DOS SANTOS

NOVA MONTE VERDE

44

LUIZ CARLOS BENIN

NOVA MONTE VERDE

45

RICARDO GOMES MARTINS

NOVA MONTE VERDE

46

JOCIANE APARECIDA FOCAS LEITE

APIACÁS

47

CLEILTON DE OLIVEIRA

PARANAITA

48

JOSUÉ SOUZA DE OLIVEIRA

PARANAÍTA

49

CLAUDIA REGINA FAGANELO

ARENÁPOLIS

50

GLEYSON DHIONATA SBARDELOTTO

MATUPÁ

51

PAOLA SBARDELOTTO

MATUPÁ

52

SIRLEI SBARDELOTTO

MATUPÁ

53

JOÃO SBARDELOTTO

PEIXOTO DE AZEVEDO

54

FRANCISCA MARIA SIMÃO DE SOUZA

SINOP

O trabalho de apuração começou no ano de 2014, com o auxílio de uma auditoria realizada pela própria Sema, que descobriu um esquema de fraude no sistema na criação de créditos florestais, beneficiando diversas empresas do ramo madeireiro e terceiros (com inserção de dados falsos no sistema).

Muitos créditos circularam para outras empresas gerando Guias Florestais inidôneas, as quais podem ter sido usadas para acobertar operações ilegais, promovendo, em tese, tanto a circulação de produto florestal de origem ilícita, quanto à lavagem dos valores correspondentes a essas mercadorias ilegais (madeiras extraídas ilegalmente, lavagem de dinheiro).

O cumprimento dos mandados de prisão e apreensão é realizado por policias civis da Diretoria de Atividades Policiais, Diretoria do Interior, Diretoria Metropolitana, Diretoria de Inteligência.

Segundo a PJC, a investigação tramita em sigilo de justiça e por conta disso, outros detalhamentos não serão divulgados no momento.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO