Sábado, 22 de Setembro de 2018

Mato Grosso

Segunda-Feira, 05 de Março de 2018, 08h:01

ELEIÇÕES

Janela agita ‘mercado’ de deputados da bancada do Mato Grosso

Cícero Henrique

Reprodução

Deputados de Mato Grosso devem aproveitar “janela partidária” para mudar de partidos

A “janela partidária” ou “janela da infidelidade” que abre no próximo dia 7 o período de um mês em que deputados federais e estaduais poderão trocar de partido sem o risco de perder o mandato está agitando o “mercado” de mudança de siglas na bancada mato-gossense em Brasília. Pelo menos dois dos 8 deputados federais do Estado admitem a intenção ou a possibilidade de trocar de legenda até 7 de abril, quando termina o prazo para quem vai disputar a eleição de outubro definir seu destino partidário. 

A maioria aguarda a abertura da janela para anunciar a mudança. Outros partidos também abriram espaço.

Comando – O Podemos hoje é comandado pelo senador e presidenciável Alvaro Dias e isso pode ter influenciado José Medeiros em sua mudança de legenda no ano passado, já que Alvaro é quem deve decidir quem será candidato ao Senado pelo partido.

O campeão de mudança de partidos, deputado federal Valtenir Pereira (PSB), também já declarou interesse em mudar de partido para disputar as eleições deste ano.

Políticos alegam ‘falta de espaço’ para ‘troca-troca’

Depois da minirreforma eleitoral de 2015, que permitiu a “janela partidária”, os motivos que levam ao “troca-troca” no período variam entre algumas justificativas. Os atrativos, como a direção de diretórios, oferecidos pelos partidos que querem políticos que, como o ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes (DEM), se mostraram capazes de fazer votos é um dos motivos.

Outra justificativa está relacionada a “falta de espaço” nas legendas originais, conforme argumentou o deputado federal Fábio Garcia que deixou o PSB para filiar ao DEM.

O “rabo de cometa” é outro motivo. Políticos como Eduardo Botelho (PSB) e Gilmar Fabris (PSD) vêem vantagem em seguir um “puxador de votos” como Jayme Campos. Uma dobradinha com um candidato como o ex-senador pode gerar votos cativos a quem aparecer do lado dele em um santinho, por exemplo.

Há também a distribuição de recursos de um partido. Quando um grupo grande toma conta de uma nova legenda, como o que ocorreu no PSD do Mato Grosso, a distribuição de fatias dos fundos partidário e eleitoral tende a privilegiar os integrantes da “panela”.

DANÇA DAS CADEIRAS

Os deputados federais que trocaram ou cogitam trocar de partido:

Devem trocar
Fábio Garcia (PSB) deve mudar para o DEM
Adilton Sachetti (PSB) deve mudar para o DEM
Valtenir Pereira (PSB) deve mudar para o PMDB

 

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO