Sábado, 15 de Agosto de 2020

Mato Grosso

Quarta-Feira, 01 de Julho de 2020, 11h:49

OPERAÇÃO ARARATH

Conselheiro Waldir Teis é preso após tentar se desfazer de cheques "com cifras milionárias"

Da Redação

Reprodução

Waldir Teis, conselheiro afastado do TCE-MT

Foi preso na manhã desta quarta-feira (1º-07) em Cuiabá o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso, Waldir Teis. Ele é um dos cinco conslheiros afastados do cargo na Operação Malebolge, desdobramento da Operação Ararath. 

O mandado de prisão foi expedido pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).  A ordem para a prisão foi proferida pelo ministro Raul Araújo, relator da Operação Ararath no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e teve como base relatório da Polícia Federal que revelou indícios de que o conselheiro tentou embaraçar as investigações, durante o cumprimento de mandado de busca e apreensão em seus endereços. Teis é investigado por corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro.

"Durante as buscas no escritório do conselheiro do TCE/MT, a Polícia Federal flagrou o investigado tentando destruir cheques assinados em branco e canhotos de cheques - jogando-os na lixeira do prédio, depois de descer correndo 16 andares de escada. A tentativa do conselheiro foi filmada e fotografada. Só não houve prisão em flagrante por que, como magistrado, o conselheiro tem imunidade que restringe a possibilidade prisões quando se tratar de crimes afiançáveis", informa o MPF.

Ontem (30-06) o Ministério Público Federal ofereceu denúncia contra Waldir Teis alegando tentativa de embaraçar as investigações. Ele foi flagrado por agentes federais tentando se desfazer de talões de cheques durante a 16ª fase da Operação Ararath deflagrada no dia 17 de junho passado. Segundo a Procuradoria-Geral da República (PGR), vários cheques estavam preenchidos com 'cifras milionárias' e algumas folhas estavam assinadas em branco.

Segundo a denúncia, na investigação a Polícia Federal e o Ministério Público Federal identificaram que os cheques são de empresas ligadas à organização criminosa da qual o conselheiro é suspeito de integrar. Os canhotos dos cheques somam mais de R$ 450 mil. Na decisão, o ministro Raul Araújo apontou indícios de materialidade e autoria dos crimes investigados e decretou a prisão preventiva do conselheiro do TCE/MT para a garantia da ordem pública, para a conveniência da instrução criminal e também pelo perigo gerado pelo investigado contra a elucidação dos fatos.

A Operação Ararath investiga, desde 2013, a prática de crimes de corrupção, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e organização criminosa por conselheiros do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso, com desvio de R$ 137 milhões no TCE entre os anos de 2012 e 2015.

 Além da condenação de Waldir Teis pela infração de embaraço à investigação, o MPF requer à Justiça indenização por danos morais coletivos, no valor de R$ 3 milhões, além da prorrogação do afastamento do conselheiro até o trânsito em julgado da denúncia.

Cinco conselheiros foram afastados do TCE em 2017: Sérgio Ricardo, Waldir Júlio Teis, José Carlos Novelli, Antonio Joaquim e Valter Albano.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO