Quarta-Feira, 13 de Novembro de 2019

Mato Grosso

Quinta-Feira, 31 de Outubro de 2019, 17h:53

COCALINHO

Casal é preso pela Polícia Civil suspeito de estupro de vulnerável contra duas irmãs

Redação

PJC

Um casal acusado de estupro de vulnerável praticado contra duas irmãs, foi preso pela Polícia Judiciária Civil do município de Cocalinho (923 km a Leste de Cuiabá), na manhã desta quinta-feira (31.10), em cumprimento a um mandado judicial de prisão.

L.R.G., 42, e sua companheira R.C.G., 47, estavam com as ordens de prisão expedidas pela Justiça e vinham sendo procurados pela polícia. Ambos foram surpreendidos pelos policiais civis em uma propriedade agrícola, na zona rural da cidade de Novo São Joaquim, também na região Araguaia.

As investigações iniciaram no dia 14 de janeiro deste ano, quando uma assistente social acompanhada de uma criança acolhida no Lar da Criança de Água Boa, procurou a Polícia Civil para denunciar o caso.

Na ocasião foram relatados diversos episódios de abusos sexuais sofridos pela menina S.C.M. de 9 anos e sua irmã, enquanto ficavam aos cuidados do casal.

Durante as diligências foi apurado que os abusos sexuais eram cometidos pelo suspeito com ajuda da convivente, que amarrava e amordaçava as vítimas para não gritarem por socorro.

No decorrer das investigações, os dois envolvidos acabaram fugindo de Cocalinho e não foram localizados para apresentarem na delegacia as próprias versões e defesa.

Segundo a polícia, cerca de quatro meses após a descoberta do crime, os acusados teriam ido para o estado de Goiás, passando por diferentes cidades com intuito de dificultar o trabalho da polícia.

Conforme o delegado regional Valmon Pereira da Silva, o casal é bastante astuto e não se enraizava nas cidades onde residia.

“Logo eles resolveram voltar para Mato Grosso, foi quando finalmente conseguimos efetuar a prisão deles em uma fazenda no município de Novo São Joaquim”, destacou o delegado.

Com cumprimento dos mandados de prisão, L.R.G., 42, e sua companheira R.C.G., 47, foram encaminhados para unidades prisionais da região ficando à disposição da Justiça.

 

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO