Quinta-Feira, 21 de Março de 2019

Mato Grosso

Sábado, 23 de Fevereiro de 2019, 08h:56

SEGURANÇA NA FRONTEIRA

Câmeras na fronteira Brasil-Bolívia podem identificar placas de veículos em alta velocidade

A câmera OCR permite monitorar e analisar imagens de câmeras de trânsito instantaneamente e verificar em tempo real diversas ilegalidades

Redação

Gabriel Aguiar / Sesp-MT

O monitoramento de câmeras com a tecnologia OCR (leitores ópticos de caracteres) na fronteira já está sendo realizado na fronteira Brasil-Bolívia, informa a Sesp. Com os equipamentos, é possível identificar modelo, fabricante e placa de veículos até mesmo em alta velocidade. Todos os pontos entraram em pleno funcionamento na última sexta-feira (22.02), conforme demonstração feita no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT).

Porta de entrada de drogas e rota para descaminho de veículos roubados, a região de fronteira em Mato Grosso é estratégica para a segurança.

Os pontos de monitoramento estão distribuídos da seguinte forma: três pontos na BR-174 (sendo que um engloba o entroncamento com a MT-265 e MT-388); um na ponte sobre o Rio Jauru, em Cáceres; e um em Vila Bela da Santíssima Trindade.

A utilização da tecnologia na fronteira foi viabilizada por uma parceria firmada com o Ministério Público do Trabalho (MPT), que destinou R$ 502 mil ao Grupo Especial de Segurança na Fronteira (Gefron), vinculado à Sesp. Para isso, foi firmado contrato com a empresa Ausec Automação e Segurança, que fez a instalação dos equipamentos e do sistema Sentry.

Há pouco mais de um mês, desde que as câmeras começaram a ser instaladas, quando o monitoramento passou a ser feito de forma parcial, já foram atendidas 149 ocorrências. O secretário de Estado de Segurança Pública, Alexandre Bustamante, ressaltou que o uso de novas ferramentas para mitigar problemas criados por ações criminosas é fundamental. “Assim, será possível melhorar nosso trabalho e a segurança oferecida à população”.

O comandante do Gefron, tenente-coronel José Nildo, ressaltou a importância da parceria com o MPT. “Há um grande fluxo de veículos produtos de roubos e furtos que vai para a Bolívia justamente para servir como moeda de troca com a droga, que é comercializada não só lá, mas também a que vem de outros países, como o Peru. E as câmeras vão otimizar este trabalho de fiscalização e recuperação de veículos”. Ele frisou ainda que, como consequência, haverá um reflexo na redução do tráfico de drogas na região.

Segundo o procurador do Trabalho, Francisco Breno Barreto da Cruz, o MPT está à disposição dos órgãos de segurança do estado para novas parcerias, pois o órgão é sensível a esta questão e acredita que os resultados serão positivos para os cidadãos.

Como funciona

A câmera OCR permite monitorar e analisar imagens de câmeras de trânsito instantaneamente e verificar em tempo real ilegalidades diversas, tais como carros roubados, documentação irregular e placas clonadas. O sistema também permite fazer buscas por placa, marca e modelo dos veículos, e também com base em características obtidas pelos operadores, como adesivos que tenham caracteres passíveis de leitura. Ao detectar algo suspeito, as informações são reunidas no CICC que, após análise, aciona as forças de segurança.

(Com informações da Sesp-MT)

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO