Terça-Feira, 31 de Março de 2020

Nacional
Domingo, 22 de Março de 2020, 08h:51

EFEITO CORONAVÍRUS

No Congresso, parlamentares veem possibilidade de adiamento das eleições municipais

Fernanda Santos

Reprodução

Câmara Federal

As campanhas eleitorais, previstas para terem início em 16 de agosto pode sofrer mudanças por conta do novo coronavírus. Com a previsão de um cenário que só começaria a se estabilizar em julho, sem aumento de novos casos, congressistas iniciam um movimento pelo adiamento das eleições municipais.

Caso em julho ainda não esteja autorizada a realização de eventos, as convenções partidárias seriam impossibilitadas. À Folha de São Paulo o presidente nacional do Solidariedade, Paulinho da Força (SP) disse que quer debater uma alternativa. “É uma avaliação antecipada, mas que tem que estar no nosso radar. Terça abrimos a discussão para saber o que é preciso juridicamente”, falou.

Léo Moraes (RO), líder do Podemos na Câmara dos Deputados, protocolou uma consulta no Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) para pedir o adiamento das eleições para dezembro. “Não teríamos tempo apropriado para fazer a pré-campanha, campanha e a eleição”, vislumbra o parlamentar, caso a crise se estenda.

Já o senador Eduardo Braga (MDB) disse à Folha que a discussão é prematura. “Poderia levar a uma desaprovação da sociedade”, argumentou. Segundo ele, o melhor é aguardar mais 15 dias.

O deputado delegado Waldir (PSL)  não crê que a Justiça Eleitoral vá alterar o calendários das eleições. “Não é interessante. Há meios de garantir a democracia mesmo em meio a pandemia. Ainda faltam seis meses, melhor aguardar um pouco”, avalia.

Enquanto isso, o TSE não mostrou sinais de mudanças no calendário eleitoral. Em resposta a um questionamento do deputado federal goiano Glaustin Fokus (PSC), que pediu adiamento da data-limite para filiação a um partido político por causa do coronavírus, a corte decidiu, em unanimidade, que não seria possível.

De acordo com o jornal, ex-integrantes do TSE veem a possibilidade de uma eventual necessidade de protelar o pleito.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO