Segunda-Feira, 03 de Agosto de 2020

Nacional
Sexta-Feira, 24 de Julho de 2020, 16h:34

CÂMARA FEDERAL

Justiça determina sequestro de bens de deputado bolsonarista acusado de corrupção e lavagem de dinheiro

Redação

Reprodução

deputado federal Delegado Pablo

A Justiça Federal no Amazonas determinou o sequestro de imóveis do deputado federal Delegado Pablo (PSL), que é acusado de corrupção passiva, crime contra a ordem tributária e lavagem de dinheiro. Ele foi eleito em 2018 na onda de apoio a Jair Bolsonaro.

Delegado licenciado da Polícia Federal, o deputado é suspeito de ter utilizado seu cargo na polícia para praticar ilícitos. Segundo a apuração, o parlamentar teria se aproveitado de informações obtidas em investigações para viabilizar o agenciamento de venda de uma empresa para sua mãe. Os eventos ocorreram entre 2011 e 2012.

 

Em maio, ele foi alvo de uma operação de busca e apreensão.

Segundo o Ministério Público Federal, o empresário Daniel Tomiasi teria adquirido a empresa Só Mudas de Eda Oliva Souza, mãe do deputado, por R$ 500 mil. No entanto, a companhia nunca havia registrado qualquer indício de atividades que justificassem o valor pago, como vínculos empregatícios, ponto comercial ou clientes. A empresa não tinha sequer autorização para produzir mudas.

Após a sucessão societária, os novos sócios não contrataram funcionários nem movimentaram recursos. Além disso, mantiveram Pierre Oliva, médico e irmão do deputado, como sócio, o que fortaleceu a suspeita no MPF de que a negociação da empresa “serviu para ocultar a destinação de valores ilícitos” a Pablo Oliva, atualmente deputado federal.

Na condição de novo proprietário, Tomiasi também pagou um débito de R$ 116 mil relativo a um imóvel registrado pela Só Mudas.

A Polícia Federal constatou que Pablo confeccionou o contrato de aquisição da empresa em sua estação de trabalho, mesmo que, oficialmente, não tivesse qualquer relação com o negócio.

Além de ter usado seus familiares para ocultar a propriedade da empresa Só Mudas, Pablo usou os valores recebidos na construção de uma casa, aponta o MPF.

A obra foi intermediada por sua mãe, mas troca de e-mail obtida pela PF mostrou que o beneficiário dela seria Pablo, na casa de quem foram encontrados recibos de entregas de grande quantidade de dinheiro em espécie sem lastro na Receita Federal.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO