Segunda-Feira, 10 de Agosto de 2020

Nacional
Domingo, 05 de Julho de 2020, 08h:22

CÂMARA FEDERAL

“Alguns acham que estão acima de Deus”, diz Maia sobre Lava Jato

Redação

Reprodução

Rodrigo Maia e Deltan Dallagnol

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou neste sábado (4.jul.2020) a falta de punições por parte do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público). Ele fez a declaração ao falar sobre o racha no Ministério Público Federal entre a força-tarefa da Lava Jato e a PGR (Procuradoria Geral da República).

Para Maia, o coordenador do grupo de procuradores em Curitiba, “deixou muito claro” que a Lava Jato “é 1 movimento político“. “Está muito claro qual o jogo que está sendo jogado“, afirmou o deputado em videoconferência realizada pelo Grupo Prerrogativas.

Maia criticou a reação da força-tarefa da Lava Jato à visita da subprocuradora Lindôra Araújo (auxiliar do procurador-geral da República, Augusto Aras) para obter detalhes sobre as ações em Curitiba.

“Tem alguns ambientes no nosso país acham que estão acima de Deus. Que não podem ser fiscalizados. Nosso Conselho Nacional do Ministério Público precisa começar a funcionar, precisa começar a punir. Acho que este é um debate que a gente precisa fazer. A constituição do CNMP, do jeito como ele está montado, tem gerado mais impunidade do que qualquer outra coisa, porque ali nada acontece”, criticou o presidente da Câmara.

Rodrigo Maia é pivô de 1 dos episódios do atrito interno no Ministério Público Federal. Em dezembro de 2019, conforme revelou o Poder360, o deputado foi citado em uma denúncia da Lava Jato sobre doações a campanhas políticas. Os autores da denúncia ‘camuflaram’ o nome de Maia e do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Usaram nomes menos conhecidos da dupla: Rodrigo Felinto e David Samuel.

O TCU (Tribunal de Contas da União) autorizou nesta 6ª feira (2.jul.2020) a abertura de procedimento para investigar a suposta compra de equipamentos pela força-tarefa de Curitiba para realizar grampos telefônicos. Ao mesmo tempo, o PT apresentou notícia-crime contra o mesmo grupo de procuradores por suposta colaboração irregular com o FBI, a polícia federal dos EUA.

Dallagnol usou sua conta no Twitter nesta 6ª feira (3.jul) para defender a Lava Jato do que já havia classificado como “os mais recentes ataques ao trabalho” da força-tarefa. “Os atos da Lava Jato são examinados desde o princípio por três instâncias independentes do Judiciário”, escreveu o procurador que, em outra postagem, assegurou que a “a Lava Jato jamais apoiou qualquer candidato e sempre defendeu a política, a ordem constitucional, a democracia e a cidadania como caminho para mudanças”.

 

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO