Segunda-Feira, 10 de Agosto de 2020

Mato Grosso
Quinta-Feira, 28 de Novembro de 2019, 08h:11

SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS

Vereador precisou recorrer à CCJ para obter depoimento bomba que denuncia compra de votos; CE impõe sigilo

Testemunha de acusação revelou que Emanuel Pinheiro reuniu-se com vereadores para comprar votos para cassar mandato de Abilo Junior, seu principal adversário em 2020

Jô Navarro

Reprodução

Cuiabá - O vereador Abílio Júnior, o “Abilinho” (PSC), pediu a suspeição de toda a Comissão de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara da Capital no processo de cassação que sofre no órgão.

A comissão é formada pelos vereadores Toninho de Souza (PSD, presidente), Vinícius Hungney (PP, vice-presidente), além dos membros Marcrean Santos (PRTB) e os suplentes - Ricardo Saad (PSDB), Juca do Guaraná (PT do B) e Marcelo Bussiki (PSB).

Abilio Junior recorreu ao Regimento da Câmara e pediu à Comissão de Constituição e Justiça, na quarta-feira, a suspeição dos membros da Comissão de Ética. O vereador Wilson Kero Kero foi designado pelo presidente da CCJ para analisar o requerimento.

Em seguida Wilson Kero Kero respondeu ao pedido de liminar que requereu a intimação da Comissão de Ética para prestar esclarecimentos, alegando cerceamento de defesa e pediu a protelação de prazo por 10 dias para apresentar suas alegações. O relator determinou que a Comissão de Ética entregasse ao recorrente íntegra do depoimento e imagens entregues pela testemunha, de Oseas Machado que denunciou uma trama para cassar o mandato do vereador Abilio Junior.

"É inadmissível que o vereador não tenha acesso ao depoimento da testemunha, sob pena de nulidade do processo." Kero Kero determinou que o material fosse entregue para Abilio até o final da tarde de quarta-feira.

Presente à reunião da CCJ,o presidente da Casa Misael Galvão foi confrontado pelo vereador Abilio, que denunciou ter sido cerceado na secretaria de Comunicação, em afronta ao Artigo 89* do Regimento da Câmara, quando o presidente ameaçou chamar a polícia. O vereador Kero Kero respondeu energicamente e determinou ao presidente que ordenasse à Comissão de Ética a entrega imediata dos documentos requeridos pelo vereador Abilio.

Na quarta-feira os vereadores da Comissão de Ética apresentaram notícia-crime no Gaeco para que o caso seja investigado. Segundo Abilio Junior, o presidente da comissão, Toninho de Souza, omitiu informações cruciais. Dentre elas, que o próprio ralator do processo de cassação de seu mandato, vereador Ricardo Saad, participou da reunião com o prefeito na casa de Juca do Guaraná. 

O vereador Abilio Junior confirmou para o Caldeirão Político que a CE cumpriu a determinação da CCJ e entregou a íntegra do depoimento da testemunha denunciante, mas sob condição de sigilo. O vereador foi impedido de levar a público os detalhes da denúncia de uma suposta trama do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) que estaria pagando vereadores para votarem a favor da cassação de seu mandato.

Presente, o vereador Juca do Guaraná negou qualquer esquema e disse que solicitará os registros de entrada de visitantes na portaria do condomínio em que reside.

O que veio a público até este momento é que a testemunha relatou ter participado de uma reunião na madrugada do dia 23 na casa do vereador Juca do Guaraná, onde estavam o prefeito Emanuel Pinheiro, os vereadores Chico 2000, Adevair Cabral e Ricardo Saad (relator do processo), além do dono da casa, Juca do Guaraná e o autor da representação contra Abilio Junior, Oseas Machado, ex-diretor do Hosital São Benedito e suplente de Abilio. Na reunião, o prefeito estaria oferecendo 50 mil reais em troca do voto favorável de cada vereador pela cassação de Abilio Junior.

"Nota de esclarecimento do prefeito Emanuel Pinheiro sobre as supostas denúncias feitas por uma servidora do Município.

Tomei conhecimento desses fatos absurdos por meio da imprensa. Não conheço os termos do suposto Boletim de Ocorrência registrado pela tal servidora, mas já determinei que sejam tomadas todas as medidas necessárias para ter acesso a todos os documentos entregues na Delegacia fazendária – Defaz - e no Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado - Gaeco.

Após o acesso a estes documentos e, se confirmadas as notícias absurdas e caluniosas a meu respeito, que foram divulgadas em alguns veículos de comunicação, tomarei todas as medidas judiciais cabíveis para restabelecer a verdade e punir, no rigor da lei, quem, de forma criminosa, envolveu meu nome nessa história fantasiosa e inescrupulosa.

Emanuel Pinheiro - prefeito de Cuiabá"

*Art. 89. É assegurado ao Vereador, uma vez empossado:
I – tomar parte nas sessões e apresentar proposição;
II – concorrer e votar na eleição para cargo da Mesa Diretora, das Comissões,
salvo impedimento;
III – examinar a qualquer tempo os documentos existentes na Câmara;
IV – requisitar da Mesa Diretora providências para a garantia de sua
inviolabilidade e de suas prerrogativas, no exercício do mandato; e
V – utilizar-se dos serviços da Câmara desde que para fins relacionados com
suas funções.

 

1 COMENTÁRIO:

Que ódio mortal é esse que você tem do Mané? Matéria mais tendenciosas desse site
enviado por: fabinm em 28/11/2019 às 13:45:19
0
 
0
responder

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO