Quarta-Feira, 26 de Junho de 2019

Mato Grosso
Quinta-Feira, 30 de Maio de 2019, 17h:38

MATO GROSSO

Max Russi quer implantar programa de controle populacional de cães e gatos

Redação

Reprodução

Abandono e maus-tratos de animais domésticos têm acontecido com muita frequência, principalmente em Cuiabá. A reprodução sem controle é o maior causador de animais em situação de rua. Pensando nisso, o primeiro-secretário da Assembleia Legislativa, deputado Max Russi (PSB), fez uma indicação, que atenta sobre a necessidade de implantação de um programa de recolhimento e controle populacional de cães e gatos, que estimulem a adoção consciente e a castração.

Estima-se que cerca de 10 mil desses animais estejam abandonados nas ruas da capital. Dessa quantidade, boa parte advêm de pessoas que os “descartaram” por motivo de doença ou, até mesmo, quando precisam viajar ,em época de férias, e não ter onde deixar.

"Muitos desses animais não são castrados e esse tem sido o fator determinante para o aumento populacional de cães e gatos abandonados.", alegou o deputado.

Caldeirão Político

Deputado estadual Max Russi

Deputado estadual Max Russi

Russi reforça ainda que a conscientização da tutela é de extrema importância para a proteção animal. "O ato de adotar vai além de colocar o animal em casa e alimentá-lo. Tem a realização de consultas freqüentes nos veterinários e aplicações das vacinas para imunização de doenças. Essas são atitudes que o responsável precisa fazer", exemplificou.

O deputado aponta a necessidade de ações efetivas, voltadas à educação da guarda responsável, atentando inda sobre a ausência de controle de reprodução no comércio. Para o parlamentar, em se tratando de saúde pública e bem estar animal, é necessária à implantação de um programa voltado para essa causa.

No mês de abril foi promulgada, pela Casa de Leis, a Lei 10.846 de 2019, de autoria de Max Russi, que assegura a proteção e destinação de animais resgatados, vítimas de abuso, maus-tratos, feridos ou mutilados.

"Estamos trabalhando, agora junto a organizações de proteção animal, para darmos os encaminhamentos corretos e assim contemplar ações efetivas. Nesse caso, mais especificamente, fica claro que muitos possuem animais , no entanto não conseguem garantir tratamentos ou a cirurgia de castração, que, no caso, são ações indispensáveis na política de redução da população animal nas ruas", alertou Max Russi.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO