Domingo, 08 de Dezembro de 2019

Mato Grosso
Sexta-Feira, 27 de Setembro de 2019, 06h:55

CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

Juiz cobra instalação da CPI do Paletó para investigar Emanuel Pinheiro

O MP também tem sido cobrado a informar o andamento das investigações dos deputados delatados por Silval Barbosa que foram filmados recebendo propina no palácio paiaguás.

Jô Navarro

Reprodução

Emanuel Pinheiro e Silval Barbosa

“Ante a notícia do descumprimento da ordem judicial emanada deste Juízo (Id. 22819249 ), determino a intimação pessoal da autoridade impetrada, por mandado, para, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, manifestar-se a respeito da alegação de descumprimento veiculada na petiçã o de Id. 24172430, comprovando o cumprimento do "ITEM II" da parte dispositiva da sentença, sob pena de imposição de multa (art. 536, § 1º, do CPC), sem prejuízo de outras medidas (art. 26 da LMS)”, diz despacho do juiz Wladys Roberto Freire do Amaral, da 4ª Vara Especializada da Fazenda Pública de Cuiabá, na quarta-feira (25) em resposta ao recurso interposto pelo vereador Diego Guimarães na segunda-feira (23).

O 'Item II' determina o "reinício dos trabalhos e reabertura do prazo da Comissão Parlamentar de Inquérito - CPI [do Paletó], a partir da edição de nova resolução, no prazo regimental de 48 (quarenta e oito) horas, com a escolha dos seus membros dentre os 09 (nove) vereadores que figuram como subscritores do requerimento original". 

Misael Galvão anunciou na sexta-feira (20) recurso à decisão para “defender o Parlamento, bem como seu Regimento Interno". No entanto, até terça-feira (24) não havia nos autos nenhum recurso, alegou Diego no recurso. A alegação foi aceita pelo juiz.

MPMT

O MP também tem sido cobrado a informar o andamento da investigação, pois já se passaram dois anos da 'estreia' do vídeo do paletó, entregue à Justiça junto com a delação do ex-governador Silval Barbosa, mostrando deputados enchendo bolsos do paletó, pastas e mochilas com dinheiro de propina.Até agora o MPE não denunciou ninguém.

O mesmo acontece em relação ao afastamento de cinco conselheiros do TCE, que ainda não foram denunciados e permanecem recebendo salários sem trabalhar.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO