Segunda-Feira, 20 de Novembro de 2017

Mato Grosso
Quinta-Feira, 31 de Agosto de 2017, 10h:16

MTPREV

Déficit do MTPrev aumenta 25% ao ano e pode chegar a R$ 2 bilhões

Redação

Gcom/MT

O secretário de Estado de Gestão de Mato Grosso, Júlio Modesto, compareceu à reunião da Comissão de Saúde, Previdência e Assistência Social,na ALMT, na última quarta-feira (30), para expor o atual quadro financeiro do Mato Grosso Previdência (MTPrev) - autarquia estadual que controla as aposentadorias dos servidores públicos dos três poderes, cujo déficit será de R$ 850 milhões a R$ 900 milhões em 2017.

“Para cumprir com a folha dos inativos, o Estado precisa complementar o que falta entre contribuições e pagamentos em mais de R$ 800 milhões e esse déficit financeiro se agrava ao longo dos anos”, explica o secretário, apontando, ainda, que essa diferença para menos “tem crescido na ordem de 25%” a cada ano, “podendo chegar a R$ 2 bilhões de déficit”. Diante do quadro, Modesto acrescenta que tal demanda “pesa no caixa, logo, faltam recursos para outras políticas públicas”.

Os responsáveis também apresentam outro déficit no chamado cálculo atuarial, que considera estatísticas financeiras para uma ‘poupança’ previdenciária a ser usada nos próximos 75 anos, de acordo com o patamar atual. Nessa projeção, o Estado apresenta um déficit de R$ 42 bilhões.

O MTPrev retirou da projeção (atuarial) os imóveis pertencentes ao governo, mas que estão em usufruto de outras instituições. Havia um levantamento em valores desses territórios, mas que foi retirado, por avaliarem não ser possível ‘capitalizá-los’.

O presidente da Comissão de Saúde, Previdência e Assistência Social, deputado Dr. Leonardo (PSD), diante da situação preocupante e, com foco num plano “sustentável”, reafirmou a importância da Assembleia na busca de soluções. “Esta Casa tem que estar presente e estará ativa com foco em cenários reais para que possamos sair, dentro de alguns anos, dessa situação”.

Com foco em equilibrar a balança, Modesto assegurou que está sendo tomada uma série de ações a longo prazo. “Não são decisões tomadas agora que geram equilíbrio nos próximos anos. Mas elas surtem efeitos”.

Os outros pontos de pauta da reunião, como avaliação de projetos de lei, não foram colocados, por não alcançar quórum mínimo de três deputados. Diante disso, o presidente da comissão encerrou os trabalhos.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO