Quinta-Feira, 22 de Agosto de 2019

Mato Grosso
Terça-Feira, 23 de Abril de 2019, 10h:45

FALA, LUCRÉCIA!

Coordenadora admite conivência com médicos que não cumprem jornada em Cuiabá

Jô Navarro

Cícero Henrique/Caldeirao Politico

Pacientes enfrentam fila num salão quente, com apenas dois ventiladores

A divulgação da gravação de áudio em que a coordenadora do Centro de Especialidades Médicas (CEM), Nádja Sartoreli, sobre médicos comissionados que batem o ponto e vão embora é mais uma bomba na gestão de Emanuel Pinheiro.

"Temos que fazer alguma coisa para calar a boca de Lucrécia, ela disse que vai no RH denunciar todo mundo", diz trecho do áudio. Segundo a coordenadora, a Dra. Lucrécia, que cumpre jornada de 8 horas, vai denunciar os colegas que batem o ponto e vão embora.

O mais grave na gravação é que a coordenadora admite ser conivente com esta prática e ainda pede sugestões dos colegas para "calar a boca de Lucrécia".

O áudio foi divulgado pelo vereador Abilio Junior em suas redes sociais e o reproduzido durante a sessão ordinária na Câmara Municipal na manhã desta terça-feira (23).

Abilio informou que detém outros seis áudios que reportam ao mesmo fato, o que, segundo ele, requer uma preocupação por parte dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

“É fato. Lá no CEM, os médicos não ficam lá. Eles batem o ponto e vão embora. Eu estive na lá ontem e vi. Eram três horas da tarde e a unidade estava vazia, sem ninguém para atender. Isso é preocupante, mostra a falta de gestão da Prefeitura, mostra o desserviço prestado ao cidadão”, relatou Abilio, salientando sobre a importância da unidade médica para a saúde população de Cuiabá e cobrando uma ação enérgica do MPE e demais órgãos de controle.

“Não vamos ficar inertes a essa situação tão preocupante. Ali no CEM funcionam diversas especialidades médicas ou, pelo menos, deveriam funcionar. São especialidades como cardiologia, oftalmologia, pediatria. Enfim, são diversos serviços especiais que a população necessita, mas que padecem na fila do SUS (Sistema Único de Saúde) devido à má gestão da Secretaria de Saúde”, salientou Abilio.

Abilio anunciou que vai protocolar a denúncia nesta semana junto ao Ministério Público Estadual (MPE).  Se comprovada a prática, os especialistas podem responder por falta funcional, ato de improbidade administrativa e, até mesmo, por crime de peculato.

A Secretaria Municpal de Saúde (SMS) ainda não comentou a denúncia.

 

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO