Segunda-Feira, 20 de Novembro de 2017

Blairo Maggi é líder de organização criminosa, afirma Janot | Caldeirão Político
Mato Grosso
Sexta-Feira, 25 de Agosto de 2017, 15h:34

PGR

Blairo Maggi é líder de organização criminosa, afirma Janot

Redação

Reprodução

Ministro Blairo Maggi

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, atribuiu ao ministro da Agricultura, Blairo Maggi, “a função de liderança mais proeminente na organização criminosa” delatada pelo ex-governador de Mato Grosso SIlval Barbosa (PMDB). O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, autorizou abertura de inquérito para investigar Blairo Maggi e todos os demais citados na delação "monstruosa" de Silval Barbosa, ex-governador de Mato Grosso. 

O ministro da Agricultura é alvo da Operação Ararath, deflagrada em 2014, para investigar desvio de recursos públicos no Governo de Mato Grosso. Janot atribui ao ministro ‘tentativas de interferir’ na Ararath entre 2014 e 2017.

"Entre os agentes politicos, destaca-se a figura de Blairo Maggi, o qual exercia incontestavelmente a função de liderança mais proeminente na organização criminosa, embora se possa afirmar que outros personagens tinham também sua parcela de comando no grupo, entre eles o próprio Silval Barbosa e José Geraldo Riva", diz o procurador.

"[A partir das delações] revelou-se a existência de uma organização criminosa instalada no alto escalão do Estado de Mato Grosso, que funcionou especialmente entre os anos de 2006 a 2014", afirmou o Janot.

O procurador citou o ex-deputado e ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso José Geraldo Riva.

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), levantou o sigilo dos autos da Petição (PET) 7085, que trata da colaboração premiada do ex-governador do Mato Grosso Silval Barbosa, entre outros, e deferiu o pedido de instauração de inquérito.

De acordo com o ministro, as colaborações constantes dos autos foram firmadas no curso de operações que já são de conhecimento público, “inexistindo motivo de ordem pública que determine a manutenção do sigilo do presente feito”.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO