Segunda-Feira, 09 de Dezembro de 2019

Mato Grosso
Sexta-Feira, 26 de Julho de 2019, 18h:51

REAÇÃO

Abilio Junior publica vídeos inéditos com detalhes da fiscalização que resultou na operação Sangria

Fiscalização resultou na operação Sangria, que desarticulou a Orcrim que fraudou a Saúde em Cuiabá

Jô Navarro

Reprodução

Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) decidiu, por maioria, manter a investigação contra o vereador Abilio Junior por atos supostamente cometidos nas dependências do Hospital São Benedito no ano passado.

A investigação baseia-se em notícia de fato de autoria do presidente do PSC, Oséas Machado, primeiro-suplente de Abilio Junior na Câmara Municipal. Para desarquivar o caso, foi alegado pelo promotor Paulo Prado, em voto divergente ao do relator, que apesar de amparado por lei a 'truculência' durante a fiscalização precisa ser apurada.

De acordo com a denúncia, o vereador “teria agido com abuso de poder e coação moral contra o servidor da empresa administradora do hospital municipal”. Oséas alega “que sofreu acusações inverídicas e covardes quanto à sua administração pela mídia e pelo vereador representado”.

Entenda o caso:
Abilio Junior: "Paulo Prado é concunhado do prefeito e Oséas é meu suplente"

Reação

Surpreso com o desarquivamento do caso, o vereador Abilio Junior decidiu publicar em seu canal no Youtube os todos os vídeos gravados durante a fiscalização no Hospital São Benedito, Secretaria de Saúde e na PROCLIN, empresa cujo sócio - Huark Douglas - é o ex-secretário de Saúde e ex-diretor do Hospital São Benedito . Na ocasião, o vereador presidia a CPI da Saúde, que resultou na operação Sangria, que levou, por sua vez, à prisão do médico Huark Douglas e outros servidores.

Leia também:

Líderes da Orcrim que fraudou Saúde confessam e ganham liberdade em Cuiabá

Processo da Operação Sangria é enviado para a Justiça Federal

Os vídeos publicados mostram detalhes da fiscalização e como o vereador conseguiu cópias dos documentos, amparado pelo artigo 11, inciso 14 da Lei Orgânica do Município. Depois disso o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro acionou a Justiça e conseguiu suspender os efeitos do artigo 11, que permitia que os vereadores fiscalizassem in loco e copiassem documentos nas repartiçoes públicas.

Ouvido pelo Caldeirão Político, Abilio Junior disse que em nenhum momento houve truculência durante a investigação, como alegado na denúncia.

 Todos os vídeos podem ser vistos AQUI

 

1 COMENTÁRIO:

truculência é ser roubado por essa corja......
enviado por: eder em 31/07/2019 às 06:51:50
0
 
0
responder

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO