Sexta-Feira, 24 de Novembro de 2017

Legislativo

Terça-Feira, 12 de Maio de 2015, 10h:34

CPI DA PETROBRAS

Doleira diz à CPI da Petrobras que quer fazer acordo de delação premiada

Da REdação

A doleira Nelma Kodama disse à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras que está negociando um acordo de delação premiada com a Justiça Federal. “Estou disposta a colaborar com a CPI, desde que isso não atrapalhe meu acordo de colaboração em curso”, disse.

Kodama é acusada de chefiar esquema de lavagem de dinheiro que envolvia a abertura de empresas de fachada e operações de câmbio no exterior. Ela foi condenada por envolvimento em 91 operações irregulares de instituição financeira, lavagem de dinheiro e corrupção. Ela também é acusada de corromper um ex-gerente do Banco do Brasil para realizar operações ilícitas por meio da casa de câmbio Da Vinci.

Nelma Kodama foi presa em flagrante na madrugada de 15 de março do ano passado quando tentava embarcar para Milão, na Itália, com 200 mil euros escondidos na calcinha. 

“Meu papel de compra e venda de moedas era mais ligado a importações. Quando um importador compra uma mercadoria na China, por exemplo, parte do pagamento é feito pelo Banco Central e ele usa o doleiro para pagar o que é por fora, sem impostos, que geralmente é 60% do total”, ela explicou.

“Eu não via que estava fazendo nada errado. Era como compra e venda de dólares. A operação feita do doleiro acontece por causa dos impostos envolvidos no pagamento de empresas no exterior. Eu não achava isso errado porque achava os impostos muito altos”, alegou, ao responder perguntas do relator da CPI, deputado Luiz Sérgio (PT-RJ).

(12:40h) Brasil é movido pela corrupção, diz doleira 

A doleira Nelma Kodama disse, em depoimento à CPI da Petrobras, que o Brasil “é movido pela corrupção". "Quando parou a corrupção [na Petrobras], o Brasil parou”, disse referindo-se às investigações feitas pela Operação Lava Jato a respeito de desvio de dinheiro e pagamento de propina de empreiteiras contratadas pela estatal.

“É o que eu chamo no meu mercado de bike, bicicleta: um santo descobrindo o outro. Estamos na corrupção da Petrobras, dos empreiteiros, e o que aconteceu [quando isso foi descoberto]: o País entrou em crise, numa recessão”, disse.

Ela já havia admitido à CPI que praticou evasão de divisas mediantes operações fictícias de importação. O deputado Izalci (PSDB-DF) perguntou a ela que brechas existem no sistema financeiro que permite operações irregulares de câmbio. “Que mudanças seriam necessárias para evitar evasão de divisas por meio de importações fictícias? Ninguém checa se a importação é verdadeira?”, perguntou.

“Eu também me pergunto. Como pode fazer uma importação e não vir nada? Tem vários tipos [de importação]. O câmbio antecipado, que você paga e depois a mercadoria vem. Só que às vezes não vem”, explicou ela.

Nelma Kodama está sendo ouvida pela CPI da Petrobras no auditório do Foro da Seção Judiciária do Paraná. Ela é a primeira depoente de hoje. Ainda devem ser ouvidos René Pereira (ligado ao doleiro Alberto Youssef), os ex-deputados Luiz Argolo, Pedro Corrêa e André Vargas, o doleiro Carlos Habib Chater e o publicitário Ricardo Hoffmann (acusado de pagar propina para André Vargas).




 

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO