Caldeirão Político

Domingo, 05 de Julho de 2020, 08h:28

FRITURA DA ALA IDEOLÓGICA PODE TIRAR FEDER DO MEC

Redação

Convidado por Bolsonaro para assumir o Ministério da Educação, o empresário Renato Feder pode ser mais um a não tomar posse na pasta –como aconteceu com Carlos Decotelli, que pediu demissão 5 dias depois de ser anunciado para o cargo.A CNN Brasil apresentou uma reportagem repleta de documentos que mostram a atuação de Feder nas suas empresas enquanto era secretário de Educação do Paraná. Segundo a CNN há uma enxurrada de documentos comprovando conflito de interesses do indicado por Bolsonaro à Educação.

Feder é secretário de Educação do Paraná no governo de Ratinho Júnior (PSD) e presidente da Multilaser, empresa de informática. Ele é considerado 1 nome de “perfil técnico”, o que desagrada a ala ideológica do governo (em sua maioria, seguidora do autodeclarado filósofo Olavo de Carvalho), que queria retomar o controle do MEC. Os 2 primeiros a comandar a pasta no governo Bolsonaro, Ricardo Vélez Rodríguez e Abraham Weintraub, são aliados a esse grupo.

Nas redes sociais, há 1 princípio de processo de “fritura” contra o novo ministro. Um dos expoentes do grupo ideológico, o blogueiro Bernardo Küster publicou mensagens criticando o escolhido para o MEC. Uma delas menciona elogio recebido por Feder do apresentador Luciano Huck, potencial adversário de Bolsonaro na eleição presidencial de 2022. Huck exaltou a “juventude” do novo ministro, desejando que ele traga “modernidade” ao MEC, e “não fique preso a ideologias regressistas“.


Fonte: Caldeirão Político

Visite o website: caldeiraopolitico.com.br