Caldeirão Político

Segunda-Feira, 09 de Março de 2020, 12h:17

Atestado médico: CPI do Paletó adia oitiva de Valdecir para quarta-feira

Redação

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), popularmente conhecida como CPI do Paletó,  criada para investigar o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), recebeu nesta segunda-feira (09.03) um atestado médico do servidor Valdecir Cardoso de Almeida para justificar a sua ausência na oitiva marcada para esta manhã. Com isso, o depoimento dele foi remarcado para a quarta-feira (11.03).

O atestado médico foi protocolado pela defesa de Valdecir à CPI do Paletó. Além do documento, a defesa relatou que o servidor se encontra com problemas de saúde, com sintomas de febre, mal-estar e diarreia. Valdecir, inclusive, teria recebido atendimento médico na noite anterior ao seu depoimento, o que inviabilizou sua ida à comissão.

Embora o atestado esteja assinado por um médico, não há diagnóstico da possível doença de Valdecir. “Foi protocolado agora de manhã, pela sua advogada, o prontuário de atendimento do senhor Valdecir na UPA Morada do Ouro. Na data de ontem, às 21 horas, ele foi atendido naquela unidade de saúde. Em virtude disso, dos sintomas que são relatados, ele não poderia estar presente na oitiva hoje”, disse o vereador Marcelo Bussiki (PSB), presidente da CPI.

Apesar da ausência hoje, a oitiva de Valdecir segue como a terceira a ocorrer durante a CPI. Já foram ouvidos o ex-governador Silval Barbosa, e seu ex-chefe de gabinete, Silvio Corrêa. Ambos já confirmaram que os maços de dinheiro que Emanuel Pinheiro aparece recebendo, em vídeo gravado, seria propina para que Emanuel apoiasse os projetos do Executivo na época em que era deputado estadual.

O vídeo foi gravado por Silvio Corrêa com o auxílio de Valdecir, que foi o responsável por enquadrar a câmera que flagrou o dinheiro no paletó. Em razão da importância de Valdecir no contexto da "cena do paletó", a oitiva dele foi remarcada para o dia 11 de março, de modo a não atrapalhar a agenda de trabalho da comissão, de acordo com Bussiki.

Divulgação/Câmara de Cuiabá

Marcelo Bussiki

Vereador Marcelo Bussiki (PSB-Cuiabá)

“A defesa solicitou que fosse remarcada a sua oitiva no prazo de sete dias. Mas como já tem uma oitiva marcada, do ex-secretário Alan Zanata, a comissão entendeu melhor marcar a oitiva para a quarta-feira, para ele vir aqui fazer os esclarecimentos relacionados à participação dele na instalação da câmera e o que ele presenciou no dia daquelas filmagens”, disse Bussiki.

Ainda segundo Bussiki, o depoimento de Valdecir é fundamental, pois ele protocolou em cartório uma declaração em que dizia que o dinheiro pago a Emanuel não seria propina, mas pagamento de pesquisas eleitorais feitas pelo irmão do prefeito, Marco Polo Pinheiro.

Reprodução

Emanuel Pinheiro

Emanuel Pinheiro

Essa declaração de inocência foi protocolada assim que o vídeo em que Emanuel Pinheiro aparece foi divulgado em rede nacional. “Ele declarou que Emanuel Pinheiro seria inocente e que o dinheiro não seria de propina. Por isso, é importante a presença do Valdecir aqui. Precisamos ouvi-lo novamente”, encerrou Bussiki.

Além de Bussiki, também fazem parte da comissão os vereadores Toninho de Souza (PSD) e Sargento Joelson (PSC), relator e membro da CPI, respectivamente. Ao todo, a CPI tem um prazo de 120 dias para a conclusão do seu trabalho.


Fonte: Caldeirão Político

Visite o website: caldeiraopolitico.com.br