Sábado, 22 de Fevereiro de 2020

União
Domingo, 26 de Janeiro de 2020, 18h:06

DESCONFIADO

Sérgio Moro manterá exposição pública, mesmo com desaprovação do Governo

Redação

Reprodução

Jair Bolsonaro e Sérgio Moro

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, deverá manter sua exposição pública mesmo diante de um processo explícito de fritura de Jair Bolsonaro. As informações são de Talita Fernandes e Ricardo Della Coletta na Folha de S. Paulo.

Nos bastidores, o presidente já demonstrou incômodo com a popularidade do ex-juiz da Operação Lava Jato.

Moro não se deixou convencer, por exemplo, pelos aconselhamentos do Palácio do Planalto para que ele não participasse do programa Roda Viva, da TV Cultura, exibido na segunda-feira (20).

Mesmo com a pressão de aliados de Bolsonaro para que se recolha dos holofotes da imprensa e das redes sociais, ele deverá conceder nova entrevista nesta segunda-feira (27), desta vez ao programa Pânico, da rádio Jovem Pan.

Moro segue ainda com o ritmo de publicações nas redes sociais em meio ao bombardeio mais recente de Bolsonaro, quando o presidente disse publicamente que poderia desmembrar o ministério da Justiça e recriar a pasta da Segurança Pública.

Além da participação em entrevistas, outros gestos de Moro nos últimos dias causaram desconforto os assessores mais próximos de Bolsonaro.

Na quarta-feira (22), por exemplo, Moro cumprimentou publicamente o ministro Luiz Fux, do STF (Supremo Tribunal Federal), pela decisão de suspender a criação da figura do juiz das garantias, que havia sido validado por Bolsonaro no fim de 2019.

Além de sua conta no Twitter, o ministro criou na quinta (23) um perfil no Instagram, um sinal de que pretende ampliar a presença nas redes sociais —arena do debate político cara ao bolsonarismo.

O movimento foi feito durante uma enxurrada de apoios ao ex-juiz nas redes, combinada de críticas a Bolsonaro por tentar enfraquecê-lo.

Pessoas próximas de Moro dizem que ele tem consciência de que Bolsonaro seguirá no processo gradual de queimá-lo e tentará conter sua popularidade por ver no ministro uma potencial ameaça para seu projeto de se reeleger presidente em 2022.

Por outro lado, continuam esses aliados do ministro, Moro avalia que sua popularidade independe de vínculo com o governo e que, em alguns casos, ele pode até se beneficiar se for alvo de ataques.

A força do ex-juiz junto à opinião pública se refletiu na formação de uma bancada informal de congressistas que hoje consideram a pauta tocada por Moro prioritária.

Esse grupo também reagiu à tentativa de desidratação.

“Acho que o Ministério da Justiça está funcionando. O ministro Moro adquiriu muita experiência sobre segurança pública neste ano e conheceu de perto a situação. O Brasil hoje exige uma situação mais enxuta na Esplanada”, afirmou o deputado João Campos (Republicanos-GO).

“Falo muito com os líderes do Congresso. Eles não têm preocupação nenhuma com a reeleição do Bolsonaro. Mas têm verdadeira paúra da possibilidade de o ministro Moro ser candidato. Eles consideram ele imbatível”, disse o deputado Capitão Augusto (PL-SP), um dos principais aliados de Moro no Congresso.

A fritura fez Moro dizer a aliados que deixaria o governo caso o Ministério de Segurança Pública fosse recriado.

O passo atrás dado pelo presidente mostra, na avaliação de pessoas próximas ao ex-juiz, que ele está em uma posição confortável: a de quem pode calcular o melhor momento político para eventualmente deixar o governo.

Moro resistiu bem à operação para tentar enfraquecê-lo.

A reação das redes sociais e conversas com os principais aliados levaram Bolsonaro a recuar publicamente.

Ao desembarcar em Déli, na Índia, na sexta-feira (24), ele foi enfático ao descartar, por ora, a possibilidade de desidratar o auxiliar mais popular.

O episódio mais recente da animosidade entre presidente e ministro teve como principal pivô o desempenho de Moro no Roda Viva.

Bolsonaro se mostrou irritado com a participação do ministro, avaliada por ele como a de alguém que tem pretensões políticas para além da função que ocupa.

Incomodou ainda o presidente a forma como Moro respondeu a críticas feitas ao governo, pois esperava uma defesa mais contundente.

Apesar de manter a agenda pública e não se dobrar à vontade presidencial, Moro não deverá polemizar com Bolsonaro. Ele seguirá fazendo um discurso de combate à corrupção e de exaltação dos feitos à frente da Justiça.

1 COMENTÁRIO:

Dois merdas
enviado por: Tom Ubirajara em 28/01/2020 às 11:40:53
0
 
0
responder

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO