Segunda-Feira, 23 de Setembro de 2019

União
Sexta-Feira, 28 de Junho de 2019, 19h:42

DINHEIRO NOS TRILHOS

Retrem vai liberar R$ 1 bi para compra ou reforma de composições

O ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, anunciou hoje (28) o Programa de Renovação de Frota do Transporte Público Coletivo Urbano de Passageiros sobre Trilhos (Retrem).

Agência Brasil

Reprodução

Segundo o ministro, será disponibilizado R$ 1 bilhão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para financiar a compra ou reforma de composições para transporte sobre trilhos pelo Poder Público ou setor privado. O crédito também poderá ser usado para melhoria dos sistemas, como a aquisição de tecnologia de monitoramento e comunicação.

“Precisamos melhorar o transporte coletivo nas cidades, a situação está cada vez pior”, enfatizou Canuto ao apresentar o projeto na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Os projetos deverão atender uma cota mínima de produção nacional, com a intenção de também apoiar as empresas brasileiras do setor.

Indústria em crise
Para o presidente da Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (Abifer), Vicente Abate, o programa será fundamental para a recuperação do setor, que sofreu forte retração nos últimos anos. “Tanto na área de passageiro quanto na de carga nós temos uma ociosidade hoje que gira em torno de 60% da nossa capacidade instalada total. Nós estamos em uma situação crítica”, ressaltou. Segundo ele, em três anos, as fábricas do ramo fecharam 3 mil postos de trabalho, o equivalente a 15% de toda a mão de obra empregada diretamente no setor.

De acordo com ele, as empresas de trens de passageiros deixaram de fazer investimentos e as que transportam carga estão evitando novos gastos devido à aproximação do fim de período de grande parte das concessões públicas.

Abate considera que a exigência de um percentual mínimo de produção nacional para os projetos financiados pelo Retrem é necessária para garantir o equilíbrio na concorrência com as empresas estrangeiras, em especial, as asiáticas. “O que a gente precisa é que essas fábricas se instalem no país para que eles tenham as mesmas condições de mercado que nós temos”, disse em relação aos concorrentes internacionais.

Com o volume de recursos que será investido, o presidente da Abifer acredita que até 2021 o setor consiga retomar o nível de produção e de emprego de três anos atrás.

O Brasil tem 21 sistemas metroferroviários com 15 operadores atuando em 11 estados e no Distrito Federal.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO