Quarta-Feira, 26 de Fevereiro de 2020

União
Sexta-Feira, 14 de Fevereiro de 2020, 06h:54

AUSTERIDADE

“Parasitas” de Guedes ganharam quase R$ 1 milhão com verba extra

Redação

Reprodução

Pelo jeito o Brasil não tem jeito mesmo, é corrupção e jeitinho por todos lados e quem paga a conta é o contribuinte. Ninguém quer consertar o país, nem presidente, nem Congresso, nem os executivos municipais, estaduais e muito menos os legislativos municipais e estaduais.

É safadeza em todos os poderes e o povo que se lasque.

De acordo com reportagem do UOL, um grupo de servidores do Ministério da Economia — pasta comandada por Paulo Guedes e responsável pela política de austeridade e corte nos gastos públicos — ganhou quase R$ 1 milhão com gratificações, os chamados jetons, em 2019. As verbas extras se somaram aos salários. Com isso, a maioria deles recebeu acima do teto constitucional, chegando a R$ 54 mil em um mês. Como mostrou o UOL, ministros do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) também receberam acima do limite de R$ 39.293,32 por mês

Permitido por lei, o jeton, pago a funcionários que participam de conselhos de empresas estatais e do sistema “S, é questionado com iniciativas no Congresso e no STF (Supremo Tribunal Federal), que deve começar a julgar hoje uma ação contra a medida. No Ministério da Economia, nove funcionários participaram de conselhos e receberam R$ 976 mil em jetons no ano passado, segundo portais de Transparência consultados pela reportagem. Sete servidores tiveram os chamados “super-salários” em outubro passado. O contracheque do secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, por exemplo, foi de R$ 54 mil brutos em dezembro passado e de R$ 46 mil em outubro. Guedes já disse que poderia perder o funcionário porque ele recebe convites para a iniciativa privada e fez comentários a respeito da remuneração de Mansueto. Em média, os jetons turbinaram em 29% os holerites dos servidores, muitos dos quais no entorno do ministro Paulo Guedes. A assessoria dele disse ao UOL que a participação de servidores nos conselhos é importante e as indicações de funcionários para ocuparem os conselhos “são feitas com critérios estritamente técnicos” e “rigorosos”. A pasta disse que a remuneração é legal.

 

Os jetons na Economia

Nove funcionários no entorno do ministro Paulo Guedes receberam jetons. Sete conseguiram supersalários com o adicional vindo de estatais e do sistema “S”

Servidor Jetons recebidos em 2019 Empresas estatais que pagou os jetons Renda sem jetons em out.2019 Jetons em out.2019 Aumento Salário bruto em out.2019
Rogério Simonetti Marinho, ex-secretário de Previdência e ministro 189.000,00 Sesc (Fecomércio) (1) 22.117,56 21.000,00 95% 43.117,56
Gleisson Cardoso Rubin, secretário de desburocratização 177.468,67 Finame, Casa da Moeda e Terracap (GDF) 37.994,61 8.103,93 21% 46.098,54
Fernando Antônio Ribeiro Soares, ex-secretário de Governança das Estatais 175.462,55 Petrobras Distribuidora e BNDES-Par 38.434,43 8.103,93 21% 46.538,36
Waldery Rodrigues Junior, secretário de Fazenda 114.017,39 BB corretora, Banco do Brasil, BNDES 40.275,60 14.052,47 35% 54.328,07
Ricardo Moura de Araújo Faria, diretor de Governança de Estatais                     110.419,22 BNDES-Par 36.438,62 8.103,93 22% 44.542,55
Mansueto Facundo de Almeida, secretário do Tesouro 107.720,42 BNDES e BNDES-Par 38.113,89 8.103,93 21% 46.217,82
Bruno Bianco Leal, secretário de Previdência interino (2) 55.106,03 Dataprev, BB Seguridade, Emgea 42.487,89 8.605,39 20% 51.093,28
Elvira Mariane Schulz, coordenadora de Governança de Estatais                      25.993,55 Hospital N.S. Conceição 10.831,30 2.363,05 22% 13.194,35
Wagner Lenhart, secretário de Gestão de Pessoal 21.025,17 Serpro 21.476,07 3.811,58 18% 25.287,65
Total > 976.213,00 Média > 32.018,89 9.138,69 29% 41.157,58

(1) O governo recolhe impostos das empresas e, depois, repassa alguns deles ao sistema “S”. (2) No contracheque de outubro, não foram incluídos R$ 7.993,60 recebidos como honorários advocatícios.

Fontes: Portal da Transparência, Portal do Senado e Diário Oficial. Elaboração: UOL

 

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO