Quinta-Feira, 09 de Julho de 2020

Municipal
Quarta-Feira, 29 de Janeiro de 2020, 15h:28

VERGONHA

Cuiabá vive na idade da pedra no transporte coletivo

Cícero Henrique

Reprodução

ônibus de Cuiabá

O prefeito Emauel Pinheiro(MDB) recentemente afirmara em vários veículos de comunicação da cidade que no período de seis meses serão implantados em todos ônibus validadores, que a capital teria um transporte de primeiro mundo, infelizmente não é isso que vem ocorrendo.

Seria o início da modernidade no transporte coletivo de Cuiabá, comentaram empolgados o prefeito, o presidente do sindicato patronal que representa os empresários, donos das empresas de ônibus.

Emanuel Pinheiro fala em modernização do transporte público com atraso, outras cidades do Brasil já implantaram sistemas de pagamentos com celulares, cartão de débito  e crédito, inclusive com bilhetes “QR code” e reconhecimento facial.

Cuiabá está atrasado com relação a outros centros, em pelo menos 26 anos.

O bilhete único já está disponível em várias capitais do Brasil e na cidade de São Paulo, o temporal, está funcionando desde 1994, isso mesmo, em Sampa foi implantado no século passado e na época o prefeito da nossa cidade era o mesmo de hoje.

Fatos que nos fazem entender que Cuiabá deixou há anos de ser referência no transporte e tem copiado outras cidades, como São Paulo, Rio Janeiro; Fortaleza e São Bernardo do Campo.

Hoje o transporte público está em decadência, perdendo usuários para os aplicativos, com a passagem sendo uma das caras das capitais e o atraso tecnológico.

Para tentar conter o descontentamento da população, o prefeito, em ano eleitoral, começa a prometer algo que deveria ter lançado no século XX, não no XXI.

Ao lado dos empresários das concessionárias, fez de tudo para inviabilizar e desestimular mudanças no transporte coletivo, de repente, não mais do que de repente, quer passar para o cidadão cuiabano a ideia de que é protagonista de incríveis mudanças e antenada com a chamada idade da informação.

Para as novas gerações a classe patronal está na idade da pedra.

Tudo leva a crer que a conta será paga pelo passageiro, com aumento da passagem acima da inflação e do subsídio público.

A única coisa que sei é que a mudança não está sendo realizada como forma de baratear o sistema e garantir ao cidadão uma passagem mais justa.

Em outubro temos eleição e tenho esperança que o próximo prefeito eleito realmente pense no usuário e revolucione o transporte público cuiabano, sem onerar a passagem e começe a exigir dos empresários investimentos em tecnologia, qualidade e conforto nos ônibus.

Mas isso só vai acontecer se houver concorrência, do contrário, tudo irá continuar do mesmo jeito, penalizando o lado mais fraco.

 

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO