Quinta-Feira, 14 de Dezembro de 2017

Executivo

Terça-Feira, 08 de Agosto de 2017, 11h:38

SAÚDE

Governo não tem contrato com hospitais filantrópicos, diz SES

Cícero Henrique

Gcom/MT

O Governo de Mato Grosso afirmou hoje, 8, por meio de nota emitida pela SES, que "não existe diretamente nenhum contrato e nenhuma dívida" com os hospitais filantrópicos. A alegação de dívida partiu da Federação dos Hospitais Filantrópicos de Mato Grosso (FEHOS), que afirma que o Estado tem acordo com os diretores de hospitais garantindo o repasse de R$ de 2,5 milhões por mês.

O secretário de Comunicação da prefeitura de Cuiabá, José Roberto Amador, criticou a resposta do governo e afirma que os hospitais filantrópicos atendem pacientes do interior. "Aqui em Cuiabá o atendimento do SUS pelos filantrópicos é de 65% de pessoas do interior".

Os hospitais Santa Helena, a Santa Casa de Misericórdia e o Hospital Geral Universitário (HGU) suspenderam hoje o atendimento a pacientes do SUS alegando falta de repasse pelo Estado. O Hospital de Câncer não aderiu à paralisação.

Veja abaixo íntegra da nota daSES-MT

"O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES), apoia financeiramente as prefeituras de Cuiabá e de Rondonópolis com repasses financeiros, que são usados pelas secretarias municipais de Saúde para o custeio de serviços médicos, incluindo aqueles contratados junto aos hospitais filantrópicos. Portanto, com os hospitais filantrópicos não existe diretamente nenhum contrato e nenhuma dívida como foi divulgado.

No final de 2016, diante das dificuldades financeiras enfrentadas pelos hospitais filantrópicos, o governador Pedro Taques autorizou um repasse emergencial para os hospitais durante três meses. Conforme portaria assinada foram repassados R$ 2,5 milhões nos meses de dezembro de 2016, em janeiro e fevereiro de 2017, totalizando um repasse de R$ 7,5 milhões.

O valor mensal era para ser dividido entre a Santa Casa de Rondonópolis, e mais os hospitais de Cuiabá: Santa Casa, Santa Helena, HGU e Hospital do Câncer. Entretanto, a intenção dos representantes filantrópicos é que o governo do Estado continuasse com a ajuda financeira pelos meses seguintes.

No dia 18 de julho dirigentes dos hospitais filantrópicos se reuniram com o governador Pedro Taques e representantes da SES para falar sobre as dívidas dos hospitais. Na reunião, foi explicado que, sem dinheiro novo, o Estado não tinha condições de continuar com o auxílio financeiro, diante da crise econômica e da escassez de recursos."

De fato, os hospitais filantrópicos são responsabilidade das prefeituras. O Governo concedeu, em 2015, custeio emergencial por três meses até que o custo fosse apurado por uma consultoria especializada. "Conforme portaria assinada foram repassados R$ 2,5 milhões nos meses de dezembro de 2016, em janeiro e fevereiro de 2017, totalizando um repasse de R$ 7,5 milhões", informa a Secretaria de Estado de Saúde.

O Governo informa, ainda, que se reuniu com dirigentes dos hospitis filantrópicos, no dia 18 de julho passado. "Na reunião, foi explicado que, sem dinheiro novo, o Estado não tinha condições de continuar com o auxílio financeiro, diante da crise econômica e da escassez de recursos", diz a nota.

A Secretaria de Estado de Saúde reconhece que é preciso discutir a responsabilidade conjunta dos governos federal, estadual e município para redefinir valores e responsabilidades com os hospitais filantrópicos, que atendem atendem pacientes do SUS. No entanto, sem caixa para atende-los, suspendeu os repasses."

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO