Terça-Feira, 21 de Maio de 2019

Estadual
Domingo, 24 de Fevereiro de 2019, 06h:53

GESTÃO

Mauro Mendes não pode contrair um centavo de empréstimo. Mas Paulo Guedes pode mudar o quadro

Cícero Henrique

Reprodução

Mauro Mendes e Jair Bolsonaro

O porta-voz do governo de Mauro Mendes é o próprio Mauro Mendes. Seus auxiliares evitam conceder entrevistas, sobretudo as mais amplas, porque não têm informações precisas, em termos de conjunto, sobre o governo. Porque, admitem, o gestor concentra, além dos recursos financeiros, informações. “Mauro Mendes é sério e bem-intencionado, mas faz um governo extremamente centralizado”, afirma um auxiliar. O Caldeirao Político ouviu quatro aliados do gestor estadual — três auxiliares e um deputado. Os quatro preferem falar em “off”, porque, dizem, não têm autorização para falar em nome do governo, nem mesmo, se for o caso, para defendê-lo.

“Veja-se o Mauro Carvalho. O secretário de Governo é um operador político, mas precisa de apoio. Mas, se não cumpre compromissos com os deputados, se eles são mantidos a distância, como estabelecer acordos políticos? É impossível”, afirma o parlamentar.

A seguir, uma síntese do que falaram os auxiliares.

“O governo está engrenando. Mas, como se sabe, casa onde não tem pão, ou tem pouco pão, todo mundo briga. Claro que é preciso pagar janeiro, mas depende de recursos. Então, mostrando boa intenção, o governo vai pagar aos poucos, conforme for entrando os recursos. Não dá para saber exatamente como será feito o pagamento. É provável, dependendo da entrada de recursos financeiros, que seja concluído antes de agosto.”

“Mauro Mendes e Paulo Guedes defende um Estado enxuto e menos gastador. O governador parece que está focado e que não tem receio de enfrentar os lobbies dos empresários.”

“Brasília pode ajudar Mauro Mendes? Claro que pode. O ministro da Economia sublinha que o governo federal vai socorrer os Estados, claro que se os governos fizerem o dever de casa, como um ajuste fiscal rigoroso. O objetivo do governo de Mato Grosso é reduzir o valor da parcela mensal da dívida. Mauro Mendes está reduzindo os gastos da máquina pública, atendendo recomendação de Paulo Guedes.”

“Na questão da previdência, os Estados e municípios estavam ficando de fora. Pois, atendendo os governadores, Paulo Guedes decidiu inclui-los. Há também a possibilidade de elevar a cobrança da previdência para 8% — o que ajudará o caixa dos Estados.”

“O governo federal pode trabalhar para que os Estados possam se recuperar de maneira mais rápida e, deste modo, os governadores, como Mauro Mendes, poderão conseguir obter empréstimos para investir em desenvolvimento. Mato Grosso hoje não pode pegar nada de empréstimos. Zero de chance. Somos letra C. Letra A só o Estado do Espírito Santo. Mas quem fica na letra B pode contrair empréstimos. Mauro Mendes não pode contratar financiamentos, está engessado.”

“Na área de saúde, o secretário está tentando conseguir recursos para além do canal tradicional. Frise-se que o governo de Jair Bolsonaro ainda não está socorrendo os Estados. O que há, por assim dizer, é uma carta de intenções.”

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO