Segunda-Feira, 25 de Setembro de 2017

Estadual
Sexta-Feira, 25 de Agosto de 2017, 12h:01

DELAÇÃO DE SILVAL BARBOSA

Governador reitera que é adversário político de SB e é vítima de vingança

Jô Navarro

Gcom

Silval Barbosa disse à PGR que o senador em exercício Cidinho Santos (PR) o procurou no CCC em nome de Maggi e Pedro Taques, após ser divulgado que faria delação premiada. Segundo o documento de delação premiada homologado pelo ministro STF Luiz Fux, a intenção de Cidinho, que é suplente de Blairo Maggi, era demover Silval Barbosa de fazer delação.

Pouco depois da divulgação desta informaçãopela TV Centro América, em Cuiabá, o governador Pedro Taques reiterou, por meio de nota, que "não fez nem autorizou ninguém a fazer acordo de qualquer natureza com Silval Barbosa".

O governador reiterou que sempre foi e é adversário político do grupo do ex-governador e atribui a delação a uma "tentativa rasteira e desonesta dos seus inimigos, movida por vingança, de envolvê-lo nesse escândalo monstruoso que envergonha Mato Grosso perante a Nação."

Pedro Taques ressaltou ainda que a atuação da CGE e PGE foram fundamentais "para elucidar crimes cometidos pelos gestores que o antecederam".

O senador Cidinho Santos  confirmou ter visitado Silval no CCC, mas negou te-lo feito em nome de terceiros. "Não sou garoto de recado, não recebi orientação e não fui a mando de ninguém", declarou.

Veja a seguir íntegra da nota do Gcom:

O governador Pedro Taques vem a público reiterar que não tem nenhuma relação com os fatos noticiados pela imprensa acerca da delação do ex-governador Silval Barbosa. Pedro Taques reafirma que foi e é adversário político do grupo do ex-governador, não fez nem autorizou ninguém a fazer acordo de qualquer natureza com Silval Barbosa, e atribui a citação do seu nome na delação como uma tentativa rasteira e desonesta dos seus inimigos, movida por vingança, de envolvê-lo nesse escândalo monstruoso que envergonha Mato Grosso perante a Nação.

Pedro Taques afirma, ainda, que a atuação dos órgãos de controle do Governo do Estado (como CGE e PGE) - desde 01 de janeiro de 2015, primeiro dia de seu governo - foram fundamentais na elucidação dos crimes cometidos pelos gestores que o antecederam, contribuindo para levar à prisão o ex-governador, sua esposa e um de seus filhos, entre outros.

Cuiabá- MT, 25 de agosto de 2017.

GCOM – Secretaria do Gabinete de Comunicação do Governo do Estado de Mato Grosso

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO