Segunda-Feira, 06 de Julho de 2020

Estadual
Quarta-Feira, 24 de Junho de 2020, 09h:09

ASSISTA

Gilberto Figueiredo: Rede SUS está colapsada e a rede básica não está funcionando

O secretário discordou da posição do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, que afirmou que "Cuiabá não vai parar sozinha"

Jô Navarro

Reprodução/Facebook

O Secretário de Estado de Saúde Gilberto Figueiredo alertou que os pacientes não estão sendo atendidos na rede básica e chegam já em estado grave, aumentando a ocupação de UTIs. 

Durante coletiva de imprensa nesta manhã de quarta-feira (24), o secretário afirmou que começa a faltar medicamentos em todo o mundo, como sedativos para entubar pacientes. "A situação é gravíssima, a rede SUS está com 87,1% de ocupação nos leitos de UTI, por isso alerto a população que o isolamento social é a medida mais efetiva para conter o avanço da doença", disse Figueiredo. 

O secretário discordou da posição do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, que afirmou que "Cuiabá não vai parar sozinha" e exige lockdown nos 141 municípios matogrossenses. Para Figueiredo, "não vou deixar de dar analgésico para meu filho por que o vizinho não dá para o dele", disse, acrescentando que o governo não pode impor quarentena para municípios em que os prefeitos adotaram fizeram a lição de casa, tomaram medidas de contenção, com isolamento e barreiras sanitárias e não têm classificação de risco 'muito alto'.

O Caldeirão Político  questionou: Após a decisão do juiz José Lindote, o governo de MT pode editar decreto impondo quarentena de acordo com a classificação de risco dos municípios, sob risco de omissão. O governo vai assumir este protagonismo ou vai esperar que o Judiciário decida?

O secretário respondeu que o governo vai aguardar o posicionamento dos municípios antes de tomar qualquer decisão. Em resposta a pergunta de outro veículo, Figueiredo voltou a citar a decisão do STF que atribuiu aos municípios a competência para adotar medidas. No entanto, ontem em entrevista o ministro Luiz Fux, do STF, declarou que o Supremo não eximiu de responsabilidade o presidente Jair Bolsonaro quando deu autonomia para ESTADOS e MUNICÍPIOS adotarem medidas para o enfrentamento da pandemia de Covid-19.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO