Sexta-Feira, 05 de Junho de 2020

Economia
Sábado, 23 de Maio de 2020, 08h:45

PEQUENAS EMPRESAS

Em vídeo de reunião ministerial, Paulo Guedes diz que não vai perder dinheiro com empresas "pequenininhas"

Governo liberou U$ 2 bi a menos de crédito para pequenas e médias empresas, responsáveis por 55% dos empregos no Brasil e 27% do PIB nacional; Febrafite e Afresp repudiam fala do ministro

Arte internet

No Brasil, as pequenas empresas - cerca de 9 milhões - correspondem a 27% do Produto Interno Bruto (PIB). Ou seja, ¼ de toda a atividade econômica brasileira. No entanto, os números não parecem brilhar os olhos do ministro da Economia, Paulo Guedes. Em vídeo da reunião entre o presidente Jair Bolsonaro e seus ministros divulgado hoje (22) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, Guedes afirma que "vai ganhar dinheiro usando recursos públicos para salvar grandes companhias. Agora, nós vamos perder dinheiro salvando empresas pequenininhas".

A linha defendida por Paulo Guedes durante a reunião ratifica as medidas tomadas pelo Governo Federal. O Brasil, diante da situação extrema causada pela pandemia do novo coronavírus, liberou efetivamente em créditos cerca de US$ 5 bilhões para pequenas e médias empresas. Para efeitos de comparação, no ano passado a liberação no mesmo período foi de US$ 7 bi. Ou seja, na contramão da lógica houve redução do crédito, além da falta de melhora nas condições.

Por outro lado, o sistema financeiro (bancos) recebeu, durante a pandemia, R$ 1,2 trilhão do Governo Federal, em torno de 240 vezes mais que o valor concedido às empresas. Ou seja, dinheiro destinado a poucos bancos em detrimento de milhões de brasileiros e, consequentemente, na ajuda à manutenção do emprego dessas pessoas.

Para o presidente da Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite) e da Associação dos Fiscais de Rendas do Estado de São Paulo (Afresp), Rodrigo Spada, a afirmação é uma afronta às pequenas empresas que, por meio do empreendedorismo de seus criadores, vêm sustentando boa parte da economia brasileira desde o início da crise econômica, em 2014.

"As pequenas e médias empresas representam 55% dos empregos do Brasil e foram completamente ignoradas pela ação governamental. Agora ficam claros os motivos", afirma Spada. "Do mesmo jeito que as classes média e baixa (com renda per capita acima de R$522,50) foram igualmente esquecidas. E mesmo os mais pobres, que foram beneficiados com o auxílio emergencial, não estão tendo tranquilidade para poderem cumprir o necessário isolamento social", conclui.

Para Rodrigo Spada, as medidas que deveriam ser tomadas pelo Governo Federal são fundamentais para garantir a tranquilidade financeira e a sobrevivência das empresas. "Ouvir de um ministro da Economia que ele não se importa com pequenas empresas é a mostra do despreparo desse governo para lidar com questões emergenciais. A discussão vai além de apoiar uma política econômica mais liberal ou mais social, se trata de um governo abandonar ou não o seu povo e as suas empresas", finaliza Spada.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO