Sexta-Feira, 23 de Agosto de 2019

Cidades
Sexta-Feira, 03 de Maio de 2019, 18h:30

RONDONÓPOLIS

Justiça suspende contratação de empresa investigada na Operação Catarata

Prefeitura de Rondonópolis deixou de nomear médicos concursados para contratar irregularmente a empresa 20/20 Serviços Médicos S/S

Redação

Rodolfo Perdigão/Gcom-MT

A 1ª Vara Especializada da Fazenda Pública da comarca de Rondonópolis deferiu liminar suspendendo a contratação da empresa 20/20 Serviços Médicos S/S pela Prefeitura Municipal. O pedido de tutela provisória de urgência consta em ação civil pública (ACP) proposta pelo Ministério Público de Mato Grosso contra o município e a empresa. De acordo com a ACP, o município estava prestes a “possibilitar a consumação de grave dano ao erário e à própria saúde pública, merecendo tal hipótese a pronta atuação preventiva e correção da ilegalidade pelo Poder Judiciário”.

Conforme a ação, o município lançou edital mediante chamamento público, sem licitação, para credenciamento de empresa na prestação de serviços médicos especializados em oftalmologia, de forma complementar aos serviços já oferecidos. Para justificar, alegou existir grande demanda de pacientes que utilizam os serviços de consulta e exames em oftalmologia, e a necessidade de não deixar a população desassistida. Apesar de haver somente um médico oftalmologista no quadro da Prefeitura, a instituição poderia convocar os aprovados e classificados em concurso público com resultado final já homologado.

Segundo o MPMT, a inexigibilidade de licitação, que se caracteriza pela impossibilidade de competição, restringiria o credenciamento de todos os potenciais interessados e favoreceria a única credenciada dentro do prazo do edital, a 20/20 Serviços Médicos S/S, que está “envolta em diversos processos judiciais e ilegalidades por todo o Brasil, cujos serviços representam um grave e seríssimo risco não somente ao patrimônio público, como principalmente à saúde pública dos pacientes rondonopolitanos”. A empresa está sendo processada na capital em virtude de ilegalidades descobertas na “Operação Catarata”, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) por indícios de superfaturamento na quantidade de procedimentos cobrados, de cobrança de cirurgias não realizadas e de frágil controle na execução dos serviços.

Assim, a promotoria requereu, além da concessão da liminar, que seja julgada procedente a ação, declarando a nulidade do processo administrativo da chamada pública e do contrato dele originário, determinando ao Município de Rondonópolis a obrigação de não-contratar a empresa 20/20 Serviços Médicos ou a imediata anulação da contratação, sob pena de multa diária no valor de R$ 10 mil. A tutela provisória de urgência foi deferida até o julgamento final do processo, bem como fixada multa diária de R$ 5 mil ao prefeito em caso de descumprimento.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO