Quarta-Feira, 22 de Maio de 2019

Brasil

Sábado, 04 de Maio de 2019, 08h:58

CNBB

Maquininha para dízimo e venda de hóstias: empresários fazem negócios durante encontro de bispos

Reprodução

Revista Época

A Assembleia geral da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) não é o único evento que movimenta o centro de convenções da Basílica de Aparecida, no interior de São Paulo. Enquanto 309 bispos da ativa e 171 eméritos se reúnem para traçar os destinos da Igreja Católica no país, um grupo seleto de 20 empresas organiza uma feira de negócios voltados exclusivamente para os católicos.

“Esse é o nosso Natal”, afirmou Rogério Rodrigues, gerente comercial da Theos, companhia fundada em Maringá (PR) em 1998 e que trabalha com “sistemas eclesiais” para a administração de igrejas. A empresa tem entre seus clientes seis mil paróquias, 132 dioceses, cujos fiéis compõe uma base de dados com a marca de 45 milhões de dizimistas ativos, quantidade que supera o número de correntistas de grandes bancos. Apesar magnitude dos números, Rodrigues e seus colegas de feira evitam falar sobre o volume de dinheiro movimentado durante os dez dias de evento.

Segundo Rodrigues, o pagamento do dízimo e de ofertas pode ser feito por meio de um aplicativo de celular. A empresa agora aposta na implementação de maquininhas para o recebimento do dízimo. E, segundo o gerente, há ainda espaço no mercado para expansão:

“A nossa meta é chegar a 150 dioceses. Como os padres e bispos têm obrigações fiscais, ter um software de gestão hoje se tornou necessário para os clérigos. Nosso sistema abrange desde a gestão contábil, folha de pagamento de clérigos e de funcionários civis e até a questão canônica pastoral, como a organização de documentos (certidões de crisma, batismo e matrimônio)”,  afirma Rodrigues. 

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!