Terça-Feira, 17 de Outubro de 2017

'Bolsonaro mostrou não estar pronto para debate democrático

Brasil

Sexta-Feira, 13 de Outubro de 2017, 09h:13

DESPREPARADO?

'Bolsonaro mostrou não estar pronto para debate democrático", diz organizador de palestra cancelada em Washington

Ricardo Senra Da BBC Brasil em Washington

Reprodução

Deputado diz que cancelou evento para priorizar novas reuniões em Nova York

Faltavam menos de 24 horas para o único evento público de Jair Bolsonaro em Washington, nos Estados Unidos, quando a equipe do deputado telefonou para a organização para informar que ele havia desistido da viagem à capital americana.

Confirmada há três semanas, a palestra que aconteceria nesta sexta-feira, na George Washington University (GWU), foi pivô da principal controvérsia em torno da visita do político aos EUA, descrita por aliados como um termômetro para sua candidatura à presidência em 2018.

O convite da universidade ao político gerou protestos, artigos críticos na imprensa internacional e uma carta assinada por mais de 400 professores, estudantes e pesquisadores que manifestaram repúdio a Bolsonaro, descrito como autor de "um discurso de ódio que incita a violência contra comunidades marginalizadas".

Diretor do departamento de Brasil da GWU e organizador da palestra, o americano Mark Langevin criticou as manifestações contrárias ao convite a Bolsonaro e defendeu a palestra como um "direito ao debate democrático".

Mas ele foi pego de surpresa com o cancelamento, no fim da tarde de quinta-feira.

"Bolsonaro mostrou que não está pronto para um debate democrático, aberto ao público, e a um público misturado, formado por simpatizantes, mas também críticos e curiosos", afirmou o professor à BBC Brasil.

"Nós estávamos extremamente comprometidos com o debate e tínhamos apoio do reitor, que também participaria", disse. "Os manifestantes não entendiam que na democracia é preciso diálogo".

"Agora a gente vê que este candidato não teve coragem, nem estrutura para debater", lamentou Langevin.

À BBC Brasil, porta-vozes de Bolsonaro confirmaram que o cancelamento partiu da equipe do candidato e apontaram uma decisão de última hora para priorizar compromissos em Nova York.

"O gabinete em Brasilia cancelou e decidiu que é melhor ele estar presente em mais eventos em Nova York. É tudo o que temos a dizer", afirmou a equipe do parlamentar, sem informar quais seriam estes eventos.

Bolsonaro também não quis responder a perguntas da reportagem sobre o cancelamento da palestra em Washington.

Reações

A conferência na GWU seria a única fala prevista de Bolsonaro em uma universidade durante a temporada americana.

No tour pelo país, ele discursou em churrascarias e falou a líderes de igrejas evangélicas em Miami e Boston, onde vivem importantes comunidades de brasileiros. Em Nova York, em uma de suas postagens de maior sucesso no Facebook, apareceu com um dos filhos em um telão da Times Square.

Em Nova York, na quinta-feira, reuniu-se com investidores da organização Council of the Americas e com membros do centro de pesquisas Council on Foreign Relations. Um encontro previsto com investidores da corretora XP Investimentos, entretanto, foi cancelado durante o dia.

Para opositores da fala de Bolsonaro em Washington, o cancelamento é "uma vitória da democracia" contra um político que fomenta "um discurso muito perigoso de ódio".

"A campanha #stopbolsonaro serviu para chamar atenção da comunidade acadêmica e do público sobre as ideias e opiniões extremistas e o comportamento truculento dele. Mostrou que a sua tentativa de impor uma narrativa falsa, normalizar e racionalizar a sua candidatura encontrará resistência", disse à BBC Brasil a professora Sofia Valoch, uma das redatoras da carta de repúdio.

Para Aline Piva, diretora-assistente do instituto Council on Hemispheric Affairs e signatária da carta, o episódio abriu um debate sobre o "papel da universidade não só na legitimação de Bolsonaro, mas também na normalização do discurso de ódio".

"A liberdade acadêmica sempre deve desafiar o status quo, não oferecer palco para pessoas destilarem seu ódio desde uma perspectiva privilegiada", avaliou.

Dois lados

Durante a semana, em artigo crítico publicado no jornal britânico Financial Times, o diretor do Instituto Brasil do Wilson Center, Paulo Sotero, afirmou que o objetivo da vinda aos EUA é "normalizar o senhor Bolsonaro como apoiador da economia liberal e um homem aberto ao diálogo", mas que seus anfitriões "não esconderam o desconforto em acolher uma figura tão controversa, famosa por seu talento para ultrajes".

Mark Langevin, organizador da palestra, discorda.

"Bolsonaro tem resposta pronta para protestos, este tipo de oposição já encaixa na narrativa dele. As pessoas da carta aberta querem evitar a existência de Bolsonaro e esperam que ele desapareça. Isso não vai acontecer. Queremos democracia", afirmou.

Outros defensores da palestra alegam que mesmo os críticos precisam ouvir o pré-candidato. À reportagem, Valoch rebateu a crítica do professor.

"Não calamos ninguém, apenas questionamos a atitude da GWU em oferecer um palco para um político que defende a ditadura militar, elogia torturador, prega que a minoria deve se curvar à maioria, e rejeita a democracia."

Oportunidade?

O evento acadêmico duraria uma hora e seria dividido em cinco módulos: abertura, política econômica, política social, política externa e uma rodada de perguntas.

Para parte da audiência, seria uma oportunidade de ouvir respostas espontâneas do pré-candidato a perguntas sobre economia, visto como um dos temas menos detalhados da pré-candidatura, que tem priorizado a polarização em torno de debates sobre segurança, direitos de minorias e políticas sociais.

Em suas falas nos EUA, o deputado defendeu o fim da CLT, prometeu usar o dinheiro da Lei Rouanet para financiar pesquisas de tecnologia, disse que reduzirá impostos para empresários e que investirá em parcerias público-privadas para atrair investidores.

"O trabalhador tem seu valor, mas o patrão também", afirmou Bolsonaro em Miami.

Mas não são claras quais seriam as propostas objetivas do militar da reserva para temas como privatizações, política fiscal e monetária, Previdência ou autonomia do Banco Central - à qual ele diz ser contrário, sem explicar como interviria na atuação da instituição.

Para muitos de seus apoiadores, a falta de domínio sobre estes temas não representa desvantagem. "Bolsonaro pegou um caminho excelente. Está calando a boca dos retardados q diziam q ele não entende de finanças. O cara está se esforçando pra aprender como melhorar ...", escreveu um seguidor no Facebook.

Em sua página na rede social, o cancelamento da viagem à Washington ainda não havia sido anunciado formalmente por Bolsonaro. Simpatizantes, no entanto, já se manifestavam. "Por favor venha para Washington DC! Estão lhe descendo o pau aqui por causa do cancelamento do evento! Muitos inscritos ... a expectativa era grande Bolsonaro !", pedia uma brasileira.

1 COMENTÁRIO:

Claro se ele não teve tempo pra se preparar diante das viagens que ele tá fazendo aki no Brasil, ele tem é que focar e aki. Vamos lá Bolsonaro 2018 ca cabeça!
enviado por: Edilson Souza da Silva em 13/10/2017 às 09:48:58
0
 
0
responder

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO