Segunda-Feira, 23 de Setembro de 2019

Brasil

Segunda-Feira, 22 de Abril de 2013, 12h:16

CPI DA VIOLAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE

Alexandre Padilha vai ao Senado falar sobre programas de Saúde logo após instalação de CPI

Fernando Meira Dias, de Brasília para o Caldeirão Político

O Senado Federal vai instalar nesta terça-feira, 23, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Violação do Direito à Saúde. A Comissão vai apurar erros de dirigentes, médicos e demais profissionais de hospitais públicos e privados que resultaram em lesões físicas ou causaram a morte de pacientes.

A CPI da Violação do Direito à Saúde também vai apurar se a legislação tem oferecido proteção suficiente aos usuários do sistema de saúde; se o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) do Ministério da Saúde está sendo devidamente atualizado e respeitado pelos hospitais e profissionais; se pode ser criado um sistema de avaliação dos serviços hospitalares e quais medidas legislativas devem ser criadas ou alteradas para proteger o direito à saúde.

Um dia depois da instalação da CPI, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, vai ao Senado para uma audiência pública na Comissão de Assuntos Sociais. O ministro vai apresentar um balanço dos últimos anos e apresentar como estão o andamento dos programas de governo.

Entre os programas prioritários da pasta está a Rede de Urgência e Emergência, que envolve as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e o Serviço de Atendimento Móvel de emergência (Samu). Também estão entre as prioridades do ministério o programa "Crack, é possível vencer"; a prevenção e tratamento do câncer de mama e do colo do útero; e a Rede Cegonha, programa de atendimento que vai da gestação até os dois anos de vida no bebê.

Certamente, o ministro Alexandre Padilha terá que falar sobre os problemas da área de saúde, como o tema da CPI, faltas de vagas em hospitais, compras irregulares de produtos, entre outros. É esperar para ver. Lembrando que Alexandre Padilha é um dos possíveis candidatos do PT ao governo de São Paulo nas próximas eleições.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO