Terça-Feira, 22 de Maio de 2018

Artigos
Sexta-Feira, 26 de Janeiro de 2018, 09h:39

CÍCERO HENRIQUE

Problema de MT é Pedro Taques e não seus secretários

Cícero Henrique

Jô Navarro/Caldeirão Político

Jornalista Cícero Henrique

Mato Grosso é um estado à procura de um governador. Se fosse fazer um filme sobre o estado de Mato Grosso, o americano Steven Spielberg poderia nominá-lo de “Socorro! O Governador Sumiu!” Brincadeira? Seria bom que fosse. Mas é sério mesmo: Pedro Taques (PSDB), eleito em 2014, não consegue apresentar respostas adequadas aos problemas básicos do estado, como manter o mínimo de qualidade na rede de saúde, e tampouco tem projetos criativos e inovadores. Pode-se sugerir que o “alcaide” é, diria um poeta, uma presença-ausência.

Na Saúde do Estado impera o Dr. Caos. A questão é que, quando se assume o governo, não basta ser bom ex-procurador. É preciso ter noções de gestão, de planejamento e entender que a política pública de saúde não é equivalente às ações do setor da PGR.

O governador Pedro Taques não entende nada de gestão. Se renunciasse seria um grande favor que faria para a população.

Se agarra a palavras de efeito, perde tempo com clichês, como “mudança de paradigmas” (o fraseado pomposo esconde o nada absoluto) — quanto parece não entender como deve funcionar a gestão pública.

Frise-se: muito mais do que culparmos secretários — que, embora não sendo “vítima”, não devem ser escolhidos como bodes expiatórios —, Pedro Taques é o principal responsável pela crise em todos setores no Estado de Mato Grosso. Ele não planeja e improvisa mal. A situação é tão dramática que todo mundo debocha do governador nas redes sociais.

A questão central, sublinhe-se, é que Pedro Taques perdeu sintonia com o estado que administra. Aos secretários, o governador conta que, enquanto deixa o estado à míngua, está fazendo caixa, além de fazer asfalto novo. Por que não investir na saúde agora? Não se sabe exatamente qual é a visão de mundo do tucano.

Às vezes, diria a filósofa alemã Hannah Arendt, é preciso repor as ideias no lugar a respeito da questão da responsabilidade. Secretários podem ser dispensados a qualquer momento, mas os mato-grossenses terão de suportar Pedro Taques por mais um ano — até 2019. Há quem diga que ele está querendo disputar a reeleição. Ainda bem que o eleitor mato-grossense não é masoquista.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO