Domingo, 21 de Abril de 2019

Artigos
Domingo, 20 de Janeiro de 2019, 07h:18

APOIANDO DITADORES

O PT fora de órbita

Wilson Lima, IstoÉ

Reprodução

Gleisi Hoffmman

Há um mundo paralelo chamado Petelândia. Nele, o ex-presidente Lula não é alguém encarcerado por corrupção, mas um preso político. Na Petelândia, as eleições do ano passado foram ilegítimas pela não participação de Lula. Nesse universo à parte, porém, a reeleição de Nicolás Maduro na Venezuela foi legítima, apesar de dois de seus adversários terem sido presos para não concorrer, o que gerou contestação até da Organização dos Estados Americanos (OEA). Na Petelândia, o terrorista Cesare Battisti é uma vítima de governos autoritários, apesar de a Itália ser um país democrático e sua extradição ter sido defendida até mesmo pelos partidos italianos de esquerda. O problema para o PT é que há um mundo à margem da realidade e nele a direção do partido vem tomando iniciativas baseadas nessa percepção ilusória que lhe rende cada vez mais prejuízos políticos. Suas lideranças vivem no mundo da lua.

A maior distrofia política do partido aconteceu na posse de Jair Bolsonaro, eleito democraticamente, inclusive com o respaldo do próprio PT, que disputou o segundo turno contra ele, e deu legalidade ao processo. O PT se recusou a participar da solenidade de posse do novo governo do Brasil, mas a presidente do partido, senadora Gleisi Hoffmman, tomou um avião e foi para Caracas prestigiar a posse de Maduro. Ao insistir num segundo mandato usurpado, Maduro mantém a população venezuelana na maior crise humanitária do continente e mesmo assim o PT foi bater palmas para o ditador Maduro, que não é reconhecido nem mesmo pelo Grupo de Lima, incluindo Brasil e Argentina.

Partido protegeu terrorista
Para integrantes da ala mais moderada do PT ouvidos por ISTOÉ, foi uma ação totalmente desnecessária. “Se quisesse se posicionar, fizesse uma moção de apoio”, disse um deles, pedindo anonimato para não aprofundar ainda mais as rixas internas. Para esses integrantes, a ida de Gleisi à Venezuela teria sido uma “atitude isolada” que não foi referendada por boa parte dos militantes.

Esses moderados classificam também como “atitudes isoladas” as manifestações de contrariedade à extradição de Cesare Battisti. O terrorista italiano vivia no Brasil e recebeu refúgio no governo do ex-presidente Lula. Battisti foi condenado na Itália à prisão perpétua, acusado de participar da execução de quatro pessoas durante a década de 1970, quando era militante de um grupo extremista de esquerda. Aqui no Brasil, o italiano estava preso desde 2007 mas recebeu o agrado do ex-presidente Lula e permaneceu livre e intocável até o ano passado em São Paulo, quando o ex-presidente Michel Temer (MDB) decidiu revogar a condição de refugiado do italiano. Contudo, o terrorista italiano fugiu no final do ano passado, sendo encontrado pela polícia boliviana nesta semana. O governo de Evo Morales, que sempre foi muito próximo do PT, nem pensou duas vezes e determinou a volta de Battisti à Itália para cumprir a pena. O PT, mais uma vez, ficou como voz isolada na opinião pública, defendendo um terrorista assassino.

No mundo real, Lula está preso. E a expectativa é que sofra novas condenações até o final de abril. O processo do sítio de Atibaia, que teria sido reformado com dinheiro das empreiteiras Odebrecht, OAS e Schahim, é o que está mais perto de ser julgado. Além dele, há também a denúncia sobre o terreno do instituto Lula, no qual o ex-presidente é acusado de ter recebido R$ 12,2 milhões de propina da Odebrecht. Nesses dois casos, Lula pode pegar até 20 anos de cadeia. Ao se manter fora de órbita, o PT vai reforçando os argumentos antipetistas que resultaram na sua derrota nas eleições do ano passado. Maior beneficiário disso, o PSL do presidente Jair Bolsonaro agradece.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!