Segunda-Feira, 06 de Julho de 2020

Artigos
Sábado, 30 de Maio de 2020, 06h:57

OPINIÃO

Na guerra contra a imprensa, a vítima é a informação

Heron Cid

Reprodução

Cercadinho

A inconformação com a cobertura jornalística, com perguntas e reportagens não é coisa dos dias de hoje. A novidade é o volume, a intensidade e o nível da agressividade aberta – e encorajada – que se tem.

Na época da ditadura, a censura, a reprovação e a perseguição fizeram a regra do cotidiano de jornalistas, repórteres e articulistas. Mas era um regime militar oficial dando as cartas. O que esperar?

Mesmo naqueles tempos, o autoritarismo foi vencido e, com todas as limitações, o jornalismo prevaleceu, ao final.

Inédito é a incitação de ódio contra a imprensa profissional em período de democracia vigente. Virou moda e sinônimo até de certa intelectualidade, dessas de redes sociais.

Não é questão de contestar, divergir, o que seria aceitável e razoável. É desqualificar, agredir, invalidar. É pior, é mais do que isso. Se fosse possível, seria eliminar mesmo.

Nesse combate, não se reivindica a verdade. O que se pretende é impor uma crença. Tudo em contrário está passível de ser banido e merece logo o carimbo de inimigo.

Por esse humor, só serve e vale aquela imprensa que diz o que se quer ouvir.

O desabafo do jornalista William Bonner, da TV Globo, retrata bem os tempos obscuros. Hoje, ele é aplaudido por quem há dois ou três anos lhe vaiava. E é agredido por quem há dois ou três anos batia palmas.

É o diagnóstico da patologia do extremismo que adoeceu o Brasil. Para um paciente com esse quadro, os fatos não interessam. Somente a versão.

A jornalista Flávia Lima sabiamente anotou na Folha: nessa guerra, a primeira e maior vítima é a informação.

Apesar de ser alvo, o jornalismo não está em guerra e não pode cair na tentação de fazer outra coisa que não seja jornalismo.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO