Terça-Feira, 23 de Outubro de 2018

Artigos
Domingo, 09 de Setembro de 2018, 10h:02

ELEIÇÕES 2018

Disputa pelo governo de MT mais parece uma disputa de sindico

Cícero Henrique

Reprodução

Wellington Fagundes, Mauro Mendes e Pedro Taques

"Faz vinte e tantos anos que declararam mortas as utopias ideológicas. O fim da história tinha chegado, o capitalismo liberal venceu. Agora restava a cada quatro anos escolher alguém pra sentar na cadeira e pagar as contas do Estado (mínimo ou um pouquinho maior) e não deixar a coisa virar bagunça.

Supondo que a tese seja verdadeira, não nos contaram duas coisas: primeiro, que isso não queria dizer que a vida das pessoas ia realmente melhorar com isso; segundo, que a política ia se transformar numa coisa tão insuportavelmente chata quanto a que vivemos hoje.

Pegue, por exemplo, a eleição para o governo do Mato Grosso. São três os candidatos de grandes coligações: Mauro Mendes(DEM), Wellington Fagundes(PR) e Pedro Taques(PSDB). Agora faça o seguinte teste: tente dizer qual é a ideologia de cada um.

Os três têm ideologia flex. Mauro Mendes e Wellington Fagundes são mais claros nessa flexibilidade. Já estiveram com Lula e com Silval Barbosa(MDB) – e acho que não é preciso dizer mais do que isso para mostrar o tamanho da flexibilidade. O que importa é estar com o governo.

Pedro Taques(PSDB), seria de se esperar outra atitude. Afinal, de Taques pode-se falar muito, menos que não tenha lado: é um legalista. Goste-se ou não, sabe-se quem ele é.

Mas não se trata nem de ter uma ideologia. Que pelo menos houvesse um princípio organizador por trás do (possível) governo. Nem isso. A impressão que se tem é de que não existe uma linha orientando o caminho. Trata-se apenas de prometer “obras”, “recursos” e “menos gastos”.

A eleição para o governo de um estado de 3 milhões habitantes, com mais de R$ 20,3 bilhões anuais de orçamento ganha cores de disputa de condomínio para eleição de síndico. Como se tanto fizesse a ideia de qual estado queremos, e bastasse prometer que seu João, do 1201, não vai mais ter mordomias, e que a janela de dona Andina vai ser consertada.

É um debate muito raso que não trata das questões de fundo do estado. Não se discute qual o papel no desenvolvimento da economia; não se fala sobre um princípio humanista que organize as ações policiais; não se discute qual é o verdadeiro papel da educação pública, muito menos qual o sentido do ensino médio na atual conjuntura educacional brasileira.

Tudo vira uma série de slogans que, para continuar na metáfora do prédio, parecem palavras vazias usadas por construtoras para vender um dois-quartos parecendo que se trata de grande novidade. “Moderno”, “novo”, “transformador”, “dinâmico”. Palavras bonitas que dizem pouco ou quase nada sobre qual deve ser o papel de um governador.

Por enquanto, temos candidatos a síndico. Ninguém à altura de governadores como os que já tivemos.

Infelizmente goste-se deles ou não, esses são infelizmente os candidatos ao governo de Mato Grosso.



Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO