Quinta-Feira, 17 de Janeiro de 2019

Artigos
Quinta-Feira, 13 de Dezembro de 2018, 07h:43

OPINIÃO

Aécio, com um pé na cadeia

Ricardo Noblat

Reprodução

Aécio Neves

A disposição de pagar qualquer preço pelo poder explica a situação que ambos vivem hoje – um, preso, à espera de novas condenações; o outro, com um pé na cadeia

Fora do Palácio do Planalto desde que Fernando Henrique Cardoso saiu de lá em janeiro de 2003 depois de ter governado o país durante oito anos, o PSDB imaginou que poderia voltar quando disputou com Aécio Neves a eleição presidencial de 2014.

Por pouco isso não aconteceu. Se Aécio tivesse vencido Dilma Rousseff (PT), e a ser verdade tudo o que se descobriu a respeito dele até aqui, o país ainda estaria sendo governado pelo “líder de uma organização criminosa” às voltas com a Justiça.

É dessa forma que a Polícia Federal trata Aécio, que por medo de não se reeleger senador disputou e ganhou em outubro último uma cadeira de deputado federal. Ele foi o principal alvo, ontem, de mais uma investida policial contra a corrupção.

Aécio é acusado de comprar com R$ 110 milhões do grupo empresarial J&F o apoio político de outros partidos quando tentou se eleger presidente há quatro anos. Se restar provado que o fez, seu destino, mais dia, menos dia, será o mesmo de Lula. Os dois eram amigos de longa data. Foram deputados juntos, jogaram futebol juntos no Clube do Congresso, em Brasília, e embora em partidos diferentes, juntos atuaram em mais de uma ocasião até que o destino os separou.

Mal assumiu a presidência da República em 2002, Lula ficou sabendo que a manutenção do esquema de corrupção em Furnas era do interesse de Aécio, então governador de Minas. Lula preferiu fingir que não sabia e deixou para lá.

Em meados de 2005, ameaçado de perder o cargo com o escândalo do mensalão do PT, Lula tomou um porre e admitiu renunciar. Foi a vez de Aécio sair em seu socorro. Empenhou-se em calar as vozes do PSDB que murmuravam a palavra “impeachment”. Deu certo.

A disposição de pagar qualquer preço pelo poder explica a situação que ambos vivem hoje – um, preso, à espera de novas condenações; o outro, com um pé na cadeia.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!